Arquivo da tag: Ariovaldo Ramos

Núcleo FTL-SP retoma atividades em 2012

Ariovaldo Ramos entre outras ideias, levantou a questão do martírio da igreja. Ser testemunha da natureza de Cristo.

Depois de intensas atividades no ano de 2010 (algumas podem ser conferidas aqui, aqui, aqui e aqui) e de uma estagnada no ano de 2011, o núcleo de São Paulo da Fraternidade Teológica Latino Americana retomou suas atividades neste sábado, 31 de março, em grande estilo.

O Encontro ocorreu na IBAB, com o tema: O seguimento de Jesus na contemporaneidade brasileira: qual a chave hermenêutica? Os convidados para expor o tema na mesa foram o teólogo Ariovaldo Ramos e a teóloga  Any Ribeiro. A moderação ficou a cargo do também teólogo e pastor presbiteriano Robinson Jacintho.  Após explanação dos palestrantes, houve momento de perguntas realizadas pelo público presente, ao qual rendeu calorosos e fraternos debates.

O encontro também serviu para que a núcleo de São Paulo prepare-se um texto que fará parte do documento que diretoria nacional levará para o encontro do V Congresso Latino Americano de Evangelização (CLADE) que ocorrerá no mês de julho em San José, capital da Costa Rica.

O Núcleo retoma suas atividades com Any Ribeiro, Robinson Jacintho, Reinaldo Junior e Joabe Santos na coordenação local. Outros encontros este ano o núcleo pretende realizar, fique atento para participar, sempre estaremos divulgando neste blog.

Any Ribeiro expôs o drama de Pinheiro por meio da letra do rapper Emicida e levantou questionamento acerca da justiça e solidariedade no Reino de Deus

Núcleo São Paulo da FTL retorna suas atividades em 2012

Leia + sobre o núcleo

Reunião preparatória para o II Fórum Jovem Missão Integral

Ariovaldo Ramos realizou devocional de cerca de uma hora com a galera

Aconteceu nos dias 14 e 15 de janeiro a primeira reunião preparatória para o II Fórum Jovem Missão Integral. O I Fórum aconteceu na cidade de Itu em 2007 com mais de 600 participantes jovens de diversas igrejas do Brasil e do exterior.

A reunião preparatória aconteceu nas dependências da Igreja Batista de Água Branca, estavam presentes Marcell Steuernagel e Samuel Scheffler da Igreja Luterana do Redentor em Curitiba, Thiago Tomé da Presbiteriana do Planalto de Brasília, do Rio de Janeiro estavam Rainerson Israel da Igreja Batista Central da Barra e Rodrigo Silva da Missão Base e da Igreja do RecreioFabricio Cunha, Rógerio Quadra e Alex Fajardo de São Paulo. Com exceção deste que escreve e de Marcell Steuernagel que é músico, o outros todos são pastores de jovens em suas comunidades. Não puderam vir Lissânder Dias e Tábata Mori, ambos da rede Mãos Dadas, residentes na cidade mineira de Viçosa que também fazem parte da equipe da organização.

O Início da reunião aconteceu com um devocional de Ariovaldo Ramos que nos trouxe uma meditação à partir do texto de Mateus 5.16 –  “Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus.”

Logo depois houve um histórico do I Forúm Jovem contado pelos organizadores para que os mais novos da equipe se alinhassem com os acontecimentos, houve destaque dos pontos positivos e negativos, onde fomos informados do que se aprendeu com o primeiro fórum.

O Fórum Jovem de Missão Integral tem três intenções principais: 1. a manutenção e fomentação da plataforma de debates em torno do tema Missão Integral entre a juventude brasileira; 2. realizar intercâmbio de instituições que trabalham na perspectiva da missão integral e de jovens de todo o país; 3. estabelecer relacionamento entre os jovens que têm familiaridade com o conceito e projetos de Missão Integral com novos jovens interessados no tema.

A reunião no primeiro dia, que durou sete horas, também discutiu local do próximo Fórum, logística e transporte para quem vem de fora, comunicação e o programa dos eventos onde foram ventilados nomes de futuros palestrantes de oficinas e das mesas redondas que ocorrerão na forma de pequenos grupos.  A Equipe já tem a data para o II Fórum que será nos dias 23 e 24 de junho de 2011 e provavelmente na cidade de São Paulo ou cidades próximas.  Nós próximos meses a equipe estará com um site no ar para melhor divulgação e detalhes.

Primeiro dia reunião durou sete horas: jovens de Curitiba, Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e São José dos Campos

. Em Breve acompanhe maiores informações do Fórum por aqui

Líderes evangélicos discutem formação de uma rede nacional

Os participantes em oração pela igreja brasileira: Durvalina Barreto Bezerra do Betel Brasileiro intercedendo ao microfone

Dia 14 de dezembro de 2009 ocorreu na IBAB (Igreja Batista de Água Branca) um encontro de 90 líderes do protestantismo nacional representantes de entidades, organizações e instituições. O Intuito do encontro é a criação de uma aliança em formato de rede que agregue todos. A Reunião foi convocada pelos líderes Ariovaldo Ramos (Missão Integral), Bertil Ekstrong (WEA), Débora Fahur (RENAS), Fabrício Cunha (IBAB Jovem e Usina 21), José Libério (Toca do estudante), Luiz Mattos (ALCEB), Silas Tostes (AMTB), (Visão Mundial) e Welinton Pereira (Visão Mundial).

A Reunião teve início as 09:00hs e foi aberta por Valdir Steuernagel que agradeceu a todos que foram chamados e trouxe uma palavra de gratidão, em seguida passou a palavra para Ed René Kivitz que trouxe uma palavra reflexiva sobre o texto do evangelista Mateus 4.23 – Ed René discorreu sobre o fracasso dos modelos socialistas e capitalistas e que o mundo clama por algo e que o evangelho não propõe apenas um outro mundo possível mas um novo ser humano possível, disse que participa da reunião com sentimentos misturados e fez um alerta dizendo que sofre arrepios quando a palavra representatividade é utilizada no meio evangélico, pois buscam o reconhecimento da Rede Globo apenas, que ele crê que este encontro não quer isto, pois as figuras do Reino de Deus são de subversão e muitos perderam o caminho da fermentação e abraçaram o caminho da pretensão. Alertou que a rede deve procurar articular a igreja para o serviço e não para a representatividade, é uma rede que coloca a toalha na mão do povo de Deus, a rede não deve se articular para salvar o movimento evangélico, pois se ele esta morrendo, deixe que morra. Quem fará parte desta aliança? Pergunta Kivitz, ele próprio responde, quem esta servindo e quer servir! “O que deve nos trazer aqui é a multidão que agoniza e não o movimento evangélico” afirmou o pastor que finalizou reforçando “Que estejamos aqui com a motivação de criar uma rede de solidariedade e serviço e não de representatividade.”

Em seguida Valdir Steuernagel passou a palavra para o sociólogo Paul Freston que apresentou dados sobre o Brasil e os evangélicos. Trouxe um histórico dos movimentos que buscavam representar os evangélicos e tempos passados e com erros e acertos passados disse que “O modelo não pode ser o do personalismo de um líder carismático, que exige-se um esforço muito grande, pois para ter lastro e duração é preciso contar com pessoas capacitadas que se disponham a gastar tempo para dar densidade ao processo de maneira que a Aliança tenha organicidade.” Dentre suas palavras informou que ninguém controla a imagem pública, não temos controle sobre o que a mídia vai divulgar sobre nossa imagem articulação ou movimento. (O que Paul Freston disse na reunião sobre a mídia já pode ser constatado um mês depois do encontro em alguns blog`s franco-atiradores)

Logo após houve um momento de oração específica por 5 pontos: 1 – Oração pela unidade da Igreja; 2 – Oração pela liderança evangélica; 3 – Oração por uma Igreja comprometida com os valores do Reino de Deus;  4 – Pela Aliança que esta se formando e 5 – Pelos Seminários, Faculdades e Escolas e institutos de formação de obreiros existentes no Brasil

Em um segundo momento houve a apresentação de Débora Fahur da RENAS (Rede Evangélica Nacional de Ação Social) que explicou como funciona o modelo de rede em contraste com o modelo clássico da pirâmide, pois a rede tem a característica importante da horizontalidade que é entendida como uma qualidade de relações que se dão fora do contexto dominação/subordinação que é o resultado e produto do acionamento simultâneo de alguns valores como: respeito a diferença e a diversidade, à autonomia, ao reconhecimento da interdependência, à co-responsabilidade e à colaboração, expressos em práticas de gestão da rede nos relacionamentos entre membros.

A proposta do modelo de formação e funcionamento em rede já existe, o que não foi decidido ainda na reunião é o nome da entidade, provisoriamente estão chamando de uma Aliança Evangélica, pois desde os tempos da extinta AEVB (Associação Evangélica Brasileira) os evangélicos de linha histórica não se reuniam para uma representação em conjunto.

O bispo anglicano Dom Robinson Cavalcanti que se deslocou do Recife para participar do encontro disse que (vídeo neste post) “A representatividade não é uma escolha; é uma consequência sociológica”, e brincou com os números onde diz que a noiva de Cristo se tornou um harém de tanta igreja existente. Jasiel Botelho presente na reunião não perdeu a oportunidade de realizar uma charge da constatação (reproduzida abaixo neste post)

Um dos organizadores do encontro, o pastor Fabrício Cunha em entrevista para este blog ao elaborarmos a matéria, quando questionado sobre a importância do evento disse que “A Associação, Alianção, Rede ou Confederação é um importante passo numa caminhada que já tem lastro, história e legitimidade por conta da antiga CEB (Confederação Evangélica Brasileira), que atuou de forma efetiva entre os anos 30 e 64, quando foi inviabilizada pela ditadura militar. Precisamos ocupar alguns espaços que reclamam maior presença cristã e pedem por representatividade, que pode ser feita de forma saudável ou não. Por isso nosso sentimento de pertença à história. Fazemos parte de uma caminhada e não queremos inaugurar nada que já não tenha existido e que não represente uma reação a uma demanda de nosso tempo, a de, enquanto evangélicos, trabalharmos para que as pessoas se pareçam mais com Cristo, as relações sejam mais baseadas no paradigma trinitário e a sociedade baseie seu modus operandi na agenda do Reino de Deus.”

Neste post vale relembrar a Confederação Evangélica citada por Fabrício que nos informou que A CEB foi inaugurada em 1930 com o papel de representar o segmento evangélico e formar um órgão cooperativo em vistas da construção de uma identidade evangélica nacional e de projetos que fossem comuns, acompanhando os passos na América Latina após o Congresso do panamá em 1916.  Era formada por secretarias, das quais se destacou a célebre Secretaria de Ação Social, liderada pelo pastor Erasmo Braga. Convocaram uma seqüência de encontros nos anos 50 e 60, dos quais se destacou a Conferência do Nordeste em 1962, com o tema “Cristo e processo revolucionário brasileiro”. Foi inviabilizada em 1964 pela ditadura militar e reaberta  em 1987 sem o mesmo intuito e motivação.

Uma das bases confessionais para o encontro foi o Pacto de Lausanne, declaração de fé da ALCEB e o código de ética da Aliança Evangélica Mundial, sobre os fatores que motivam a caminhada dos que participaram do encontro, são três:

1. A absoluta necessidade de responder ao chamado do Evangelho no contexto de significativos setores da igreja brasileira dos nossos dias e no nosso contexto.
2. A percepção comum e imperativa de que necessitamos uma espécie de aliança que seja agregadora, ágil e representativa e, ao mesmo tempo, possa existir com o mínimo de burocracia e custos.
3. A busca por uma aliança que congregue redes já existentes, no objetivo de que elas sejam a nossa voz e expresse a nossa realidade, tanto no Brasil de hoje como em relação aos processos de representatividade externa a que somos chamados nestes nossos tempos.

Vale ressaltar que a reunião não esta sendo formada em nome de uma pessoa ou igreja específica, pois diversas entidades participaram do encontro na forma de associações, faculdades, institutos e organizações como AMTB, APMB, Convenção Batista Nacional, ABUB, MPC, JV, FLAM, Seminário Teológico Servo Cristo, Visão Mundial, Igreja Episcopal Anglicana, Movimento Encontrão ligado à Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil, Fórum jovem de Missão Integral, Revista Ultimato, W4 Editora, Rede Fale, RENASFTL – ContinentalCompassion, Seminário Betel Brasileiro, Missão AVANTE, Missões Quilombo, Desperta Débora, Toca do estudante, Instituto Anima.

A Mídia cristã se fez presente através de Klênia Fassoni da Revista Ultimato, Whaner Endo do Portal Cristianismo Criativo e entre diversos blogueiros este aqui que escreve este post.

A reunião que durou quase 5 horas finalizou com uma carta de princípios que diz que a aliança é uma “rede que visa ser expressão de unidade de cristãos evangélicos no Brasil e de ação, reflexão e posicionamento evangélico em questões éticas e de direitos humanos”. Silas Tostes foi o redator da carta que captou diversas sugestões dos pequenos grupos que se reuniram por cerca de uma hora para elaborar as indicações e debater os princípios que nortearam a futura aliança, a carta ainda é provisória. Segundo o facilitador da reunião, Valdir Steuernagel houve uma rica discussão em torno da proposta e que a próxima reunião ainda não será a de fundação pois reconhecem a necessidade de maior diálogo e formação de mais líderes em volta da proposta. O próximo encontro será realizado entre os meses de maio e julho de 2010 em local a ser definido ainda pelos organizadores.

Texto, fotos e vídeo Alex Fajardo

Luterano Valdir Steuernagel e o sociólogo Paul Freston

Paul Freston: “Funções públicas vão acontecer. As instâncias sociais querem saber o que os evangélicos estão fazendo e pensando. E não há interlocutor. Este vazio será certamente preenchido por alguém. Como fazer isto sem ingenuidade sociológica, mas sem perder o idealismo do Evangelho?”

Valdir Steuernagel , Fabricio Cunha, Robinson Cavalcanti e Key Yuasa observam palestra de Paul Freston

Key Yuasa (Curitiba, Igreja Holliness) orando pela unidade da Igreja

Key Yuasa de Curitiba da Igreja Holliness ora pela unidade da igreja brasileira

Fabricio Cunha que faz parte da nova geração de líderes da igreja brasileira explica os diversos nomes sugeridos para a futura aliança

Ricardo Agreste da Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera em Campinas conversa com Valdir Steuernagel sobre pontos da Carta de Princípios da futura rede

O Bispo e o pastor: Robinson Cavalcanti e Ed René Kivitz dialogam sobre o movimento

Participantes se dividiram em grupo para propor pontos na Carta de princípios

Diretor nacional da Mocidade para Cristo (MPC) Marcelo Gualberto se deslocou de Belo Horizonte para o encontro

Pr. Cláudio Ely Dietrich Espíndola -representando a Convenção Batista Nacional também analisou a Carta de princípios

Ao centro da foto o pastor Rogério Quadra ligado ao Fórum Jovem de Missão Integral e obreiro do Instituto Papel de Menino, que desenvolve um trabalho junto aos menores infratores da Fundação Casa também esteve presente

Presbiterianos: Ricardo Barbosa de Souza pastor da Igreja Presbiteriana do Planalto em Brasilia, conversa com Hilton Figueiredo da Fundação Grão de Mostarda e do Seminário Servo de Cristo

Exército da Salvação também esteve presente no encontro

Todo evento foi registrado pelo pastor José Libério da Toca do Estudante: futuramente material será disponibilizado em DVD

Silas Tostes presidente da Associação de Missões Transculturais Brasileiras é o responsável pela redação da Carta de prinípios

Chargista Jasiel Botelho esteve no evento representando os Jovens da Verdade e a FLAM

Modelo em rede substitui o modelo piramidal

.

Eu estou farto – Ariovaldo Ramos

Ótimo texto de Ariovaldo Ramos este abaixo, não apenas belas palavras, mas para quem o conhece de perto e o acompanha, sabe que é um vida de lutas dentro da Igreja Brasileira. O artigo todo é interessante, entretanto chamo a atenção quando ele explica sobre o uso da palavra esquerdista, o termo já não é mais utilizado. Pessoas não acompanham o ritmo e ainda classificam o mundo através da dicotomia comunistas e capitalistas. Esses dias li um artigo de alguém acusando o próprio Ari de comunista, esses termos já não cabem mais no vocabulário, estão atrasados, o único país do mundo que em pleno século XXI se encontra comunistas é na Coréia do Norte segundo o renomado professor de História Geoffrey Blainey. Enquanto pessoas não se atualizam e ficam utilizando termos em desuso (como comunistas, socialistas, esquerdistas) seus vocabulários estão tão atrasados quanto suas mentes, por isso continuam em batalhas quixotescas contra moinhos de ventos que só existem em suas mentes. Enquanto alguns puxam o freio de mão e só reclamam, tem muita gente realizando e construindo a história em parceria com Deus e tocando o barco.

Abaixo o texto do Ari publicado originalmente em seu blog.

———————————-

Acabei de ler uma asquerosa crítica à Senadora Marina Silva. Faltam dados, falta seriedade, falta responsabilidade!

A crítica foi publicada num site que se propõe ser arauto de mídia séria! Mas,  de fato, é porta-voz do que era chamado, no tempo em que as ideologias estavam na pauta, de extrema direita.

Parece que ainda há quem tenha saudade do tempo em que se torturava a quem quisesse, quando quisesse.

Gente para quem a palavra democracia não significa nada.

Recentemente, um artigo publicado nessa mídia me citou, acusando-me de esquerdista, pró-aborto e de pró-gayzismo. E já fui questionado quanto a isto.

Não sou pró-aborto, mas, também, não sou a favor desse estado de coisas, onde a mulher é usada e abusada, onde a orientação sexual não chega aos pobres, onde o Estado se omite e faz vistas grossas ao estado de violência a qual o jovem e, principalmente, a moça está submetida, pela alienação das drogas e dos bailes funks, que sustentam o machismo que faz da mulher o mais abjeto objeto. E não sou contra a mulher vítima de estupro, e cuja gravidez lhe seja fatal, ser assistida na interrupção de sua gravidez.

Não sou pró-gayzismo, seja lá o que isso signifique, mas sou a favor dos direitos civis. Sou contra a tentativa do movimento gay de reescrever a Bíblia, mas, também, sou contra privar os homossexuais do usufruto do património de construção conjunta. Sou contra o impedimento de ajudar a um homossexual que o queira deixar de ser, como sou contra a hostilização de um ser humano porque ele ter se declarado homossexual.

A palavra esquerdista não faz mais sentido, nos dias correntes. Eu sou progressista! Sou a favor da reforma agrária, do acesso universal à educação, à moradia, à saúde, ao transporte urbano, à alimentação adequada. Sou a favor da distribuição de renda, da erradicação da pobreza, da sustentação do meioambiente e da democracia.

Sabe de uma coisa? Eu não sei quanto a você, mas eu estou farto dessa gente que se acha dona da verdade, e que, em nome do que acham ser a verdade, vivem a matar pessoas.

Farto dessa gente que se apossou de Deus, como se Deus fosse um objeto que se possa ter e manipular.

Essa gente que não considera como semelhante quem não concorda com eles!

Recentemente, também, uma série de e-mails anônimos foram disparados me caluniando, tentando me vender como um pecador dissimulado, para dizer o mínimo.

Estou farto desses covardes, sem caráter que, por detrás do anonimato, vivem a tentar destruir a vida dos outros.

Estou farto dos que dão ouvidos a eles, fazendo valer a calúnia e a difamação.

Estou farto dessa gente que anima suas rodas de amigos falando mal dos outros, zombando da desgraça alheia.

Farto dessa gente que vê fantasma em todo o lugar, que está sempre procurando alguém para atacar e para destruir.

Estou farto dessa gente que não sabe o que é debate intelectual, que toma tudo como pessoal, porque se vê como a medida para a verdade.

Farto dessa gente que em vez de pregar o Evangelho, fica checando se os outros o estão.

Checando se o outro crê “certo”.

Estou tão farto disto, tanto quanto, dos que estão invocando Deus para obter dinheiro para os seus negócios, travestidos de ministérios,de  igreja ou de denominação.

Dos que lutam pelo poder denominacional, transformando o Odre em algo mais importante do que o Vinho.

Também, me fartei dessa gente que quer destruir tudo, confundindo a igreja local com a deturpação da denominação, confundindo o povo com os seus maus líderes e que se tornam líderes tão maus quanto os que condenaram, e que saem pelo mundo atacando os pastores e as estruturas com a mesma fúria dos que as estão usando para benefício próprio.

Estou farto desses apóstolos que venderam que tinham de ser apóstolos para derrubar as potestades nas cidades, as mesmas que foram destronadas na Cruz de Cristo!

Estou farto dos que não usam o título de apóstolos, mas agem do mesmo jeito!

Estou farto dos liberais, que rasgam a Bíblia e saem a zombar de quem crê.

Estou farto desses ecuménicos que dizem celebrar a fé, de modo indistinto, mas não conseguem estender a mão para o irmão pentecostal.

Mas jamais me fartarei da Igreja:

A Igreja é a comunidade da fé! É a nossa casa!

A Igreja é lugar de perdão e de reconciliação.

O que é oferecido a todos nós, inclusive para os que agem como se não o precisassem, é a oportunidade de se arrepender.

A fé cristã não prega a impecabilidade, prega o arrependimento!

A fé cristã prega que o amor é demonstrado no perdão e no serviço!

A gente deve continuar a lutar pela Igreja!

Continuar a lutar pelo resgate da humanidade, e de toda a criação de Deus.

Nosso problema não está no termos pastores ou presbíteros, mas em sermos todos apascentadores.

Nosso problema não está em darmos dízimos e ofertas, mas em como ofertamos, e como usamos as nossas ofertas e dízimos.

A Igreja somos nós, e o único Ungido é Cristo Jesus.

Todo poder: seja religioso ou econômico ou de qualquer natureza, tem de ser controlado pela totalidade do povo.

Se você está farto como eu, não saia da Igreja, Igreja é invenção de Jesus.

“Jesus disse que onde 2 ou 3 estiverem reunidos em seu nome, ele lá estaria.” Mt 18.20

Jesus seria a 4ª pessoa naquela reunião.

Jesus seria a visita especial.

Ali Ele segredaria o que não pode dizer pessoalmente. Paulo disse que só com os demais irmãos é possível conhecer o amor de Cristo, em toda a sua dimensão. Ef 3.18

Alguns têm entendido que essa reunião é o fim de toda a formalização, a comprovação de que nunca precisamos de formalização alguma.

Mas, o que é reunir-se em torno de Jesus?

Jesus instituiu como reunião em torno dele a reunião em torno da ceia do Senhor.

Jesus disse que  toda a vez que comêssemos do pão e bebêssemos do vinho, o anunciaríamos, até que  ele volte. 1 Co 11.26

É em torno da ceia  do Senhor que nos reunimos em nome do Senhor.

Isso é formalização: tem hora, tem maneira e tem lugar. E é seríssima, pois Paulo disse que, dependendo da forma como participamos da ceia, podemos sofrer consequências, inclusive morrer mais cedo. Logo, também tem liturgia. 1 Co 11.27-30

Então, reunir-se em nome de Jesus é reunir-se em torno da ceia.

Lá anunciamos o perdão com o que somos perdoados e com que perdoamos.

Lá anunciamos a ressurreição, o poder pelo qual vivemos.

Lá o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre.

Lá é a reunião da Igreja!

Todas as reuniões só serão da igreja se o forem em torno da mesa, mesmo que a mesa não seja arrumada para aquele dia.

A mesa da ceia é a mesa da comunhão. Lá nasceu a Igreja e lá ela é mantida.

.

Usina 21 – Oficinas 2009

Dia 07 de novembro aconteceu nas dependências da Universidade Mackenzie a 7º edição do Usina 21. Com cerca de mais de 2 mil jovens segundo a organização do evento, o encontro teve cerca de 40 oficinas no período da manhã e tarde sobre os mais diversos temas, desde blog`s como ferramenta de comunicação e engajamento, artes e expressões de um Deus criativo, voluntariado, missões urbanas etc.  Antes do inicio das oficinas os participantes foram para o auditório Rui Barbosa onde foram recebidos com as boas vindas aos participantes pelo vereador Carlos Alberto Bezerra Júnior, um dos principais idealizadores do evento e atual responsável pelo Usina. Ariovaldo Ramos trouxe uma palavra sobre a redenção do mundo em um diálogo entre a Trindade, “Antes de Deus dizer haja luz, Ele disse haja cruz” disse Ariovaldo em um de seus insights teológicos.

Esta foi à primeira edição que participei do evento e realizei o registro fotográfico da grande maioria dos palestrantes das oficinas e painéis. Segue as fotos com seus respectivos temas na legenda. Creio ser este o post com maior quantidade de fotos que já publiquei aqui neste blog.

Ariovaldo Ramos no auditório Rui Barbosa discorreu sobre a Trindade em um diálogo imaginativo ao estilo do livro A Cabana

Junto com Ariovaldo Ramos, o vereador Carlos Alberto ora pelo evento e pelos organizadores Fabricio Cunha e Fernando Diniz

Auditório Rui Barbosa no Mackenzie lotado de jovens: Nova geração Missão Integral

Ziel Machado, historiador e membro da ABU por 18 anos em seu painel afirmou: "Missão Integral não é uma ideologia de esquerda evangélica, missão integral é um projeto de vida!"

Vereador e médico Carlos Alberto relatou casos e conscientizou todos contra o abuso e violência infanto-juvenil dentro das igrejas

Doutoranda na Universidade Metodista, Analzira Nascimento relatou sua experiência na África por 17 anos, responsável pela implantação e coordenação do Projeto Radical - Voluntários Sem Fronteiras

Doutorando na PUC Gedeon Alencar, analisou o fenômeno religioso brasileiro sobre o tema: "40 milhões de evangélicos no Brasil ! E daí ?"

O Católico Jung Mo Sung, coordenador do programa de Pós-graduação em Ciências da Religião na Universidade Metodista falou sobre acabar com a fome e a miséria no mundo em uma perspetciva cristã

Anderson Gu, professor universitário palestrou sobre superando as deficiências da não inclusão. Como oferecer opções de acessibilidade às pessoas com deficiência nos espaços comunitários

Jota Mossad da Vineyard de São Paulo falou sobre grafiteiros, arteiros e produção alternativa

Alexandre Hobles: Espitirualidade do jovem no meio do caos urbano, trânsito, violência e stress

Compositor Daniel Maia explanou sobre o tema: música de Deus x música do mundo. Isso existe? Qual a diferença?

Músico e cantor Roberto Diamanso falou sobre a universalidade da canção

Jornalista e blogueiro Sérgio Pavarini tratou do tema: Blog, uma ferramenta de comunicação e engajamento

Osmar Guerra, produtor da Rede Record levou ao evento para palestrarem, Warley Santana ex-CQC e Carol Zócolli - finalista do concurso "Oitavo CQC"

João Batista da Missão CENA explanou o tema de missões em áreas de miséria urbana - como combater a desigualdade e desenvolver projetos consistentes

Gustavo da Hora da ABU focou a Internet o ambiente virtual e o fenômeno das redes sociais

Pr. Levi Araújo contou tudo !! Sua tragetória polêmicas, embate e humanidade.

o Evento teve mais de 40 oficinas com grande participação dos jovens

Henrique Courá do ICEC trabalhou o tema: Luzes, câmera e transformação: da idéia na cabeça à mobilização pelo cinema

Sara de Roure tratou a questão de Gênero - Mulher e seu papel fundamental - Reflexão a respeito da consciência de indivíduo e a equiparação de condições para os gêneros

Marcos Vinicius - Palhaços e Clwns como ferramenta de evangelização

Oficinas sobre diversos assuntos co-relacionados ao Reino de Deus e Missão integral em várias frentes de ação para a Igreja se posicionar

Fotografo na foto: Fim do Usina 2009, eu e minha amada imortal, cansados mas alegres com o que aprendemos nas oficinas

Humanitária, nunca humanista

Foto: Flickr (usuário Lalala)

Ontem participei do XII Congresso de produção científica da Universidade Metodista. Uma das apresentações foi da mestranda Luana Martins Golin que realizou uma excelente apresentação sobre: O Grande Inquisidor, de Dostoiévski e a crítica ao marxismo. (lamentei por não ter gravado em áudio a apresentação) em dado momento Luana explicou que os ideais marxistas são humanistas. Achei interessante demais suas ligações literárias do conto O Grande Inquisidor, uma parábola no romance Os Irmãos Karamazovi.

Mas fiquei pensando o relacionamento entre o cristianismo em alguns conceitos apresentados por ela, entre eles o conceito de humanismo. Eis que senão quando, hoje encontro esse belo texto de Ariovaldo Ramos em seu portal Missão Integral.

Eis seus pensamentos sobre humanismo x humanitária

A fé cristã é humanitária e não humanista. O humanismo acredita na bondade intrínseca do homem; já a fé cristã afirma que o homem é mau e constantemente mau o seu desígnio.

Quando a raça humana caiu, tudo o que permaneceu de bom nela é fruto do ato divino de emprestar, aos humanos, algo dos seus atributos comunicáveis.

Ao rompermos com Deus escolhemos ser o oposto dele, logo, escolhemos a maldade como estilo de vida.

Agora, como Deus é o lugar onde vivemos, nos movemos e existimos, ao rompermos com Deus, deveríamos ter deixado de existir, uma vez que fora de Deus nada existe ou pode existir.

Então, ao rompermos com Deus dois milagres aconteceram conosco: 1 – fomos mantidos na existência, logo, fomos mantidos em Deus; 2 – algo da bondade de Deus foi depositada em nós, de modo que, embora optando pela maldade, continuamos a saber e fazer o bem de várias maneiras.

Essa possibilidade do bem, em nós, não é mais intrínseca à humanidade, é fruto desse depósito de bondade de Deus em nós. Assim, na mesma medida em que não acreditamos que os seres humanos sejam capazes de, por si mesmos, fazer o bem, acreditamos que vale a pena investir na humanidade porque algo da bondade de Deus lhe foi emprestada. O que torna possível a pessoas que não amam a Deus amarem o próximo.

A fé cristã é humanitária, acredita que investir no bem da humanidade vale a pena, porque a bondade de Deus está atuando na humanidade e pela humanidade.

A fé cristã não se ilude com a humanidade, mas, ao mesmo tempo, não perde a esperança na humanidade.

A fé cristã luta pela humanidade porque sabe que essa é a luta de Deus.

Por falta de utopia, o jovem se corrompe

Ambiente do evento personalizado sobre o tema

Ambiente do evento personalizado sobre o tema

Em setembro aconteceu uma série de encontros na IBAB organizado pela equipe de jovens cujo a temática foi utopia. O Encontro ocorreu aos nas noites de sábado.  Onde respectivamente falaram Fabricio Cunha, Ziel Machado e Ariovaldo Ramos.  Diferente da religião, a utopia cristã esta no horizonte, cada vez mais que eu me aproximo dela, mais ela se afasta de mim.  Por mais que eu caminhe, eu nunca alcançarei, entretanto ela é meu norte, o meu caminhar.

Todas as mensagens foram transmitidas ao vivo via internet e podem ser assistidas neste link aqui.  Fotos do primeiro dia do encontro podem ser conferidas aqui.

"Utopia é algo comunitariamente bom para todo mundo " Fabricio Cunha

"Utopia é algo comunitariamente bom para todo mundo " Fabricio Cunha

Fabricio Cunha falou sobre a utopia cristã, o cristianismo como superação da religião. Iniciou sua fala explicando sociologicamente o conceito de utopia, ideologia e religião. Trabalhou alguns conceitos no quesito da solidariedade, para entendermos em que nível estamos no relacionamento com nosso próximo, citou o teólogo Ronald Sider “temos que Viver de forma simples, para que alguns simplesmente vivam”.  Afirmou a diferenciação de reputação e de caráter no Reino de Deus, pois reputação é aquilo que as pessoas pensam acerca de você, e caráter é o que você realmente é , por isso Jesus enfatizar sobre o quarto secreto, você e Deus, pois ali esta o apenas seu caráter diante de Deus, e é este caráter iluminado por Deus que tem que prevalecer para a expansão utópica do cristianismo.

Ziel Machado falou sobre uma geração relevante ser possível e expos sobre a fala de Jesus em  João 15 a videira verdadeira e nossa permanência no amor de Cristo, pois sem essa base, não é possível se ter uma geração relevante.

Ariovaldo Ramos trabalhou no tema que um mundo melhor é possível e para isso explanou seu conceito sobre a Ética da manutenção.  Trabalhou sobre as questões de nossa fé para entendermos se um mundo melhor é possível ou não.

Ziel Machado falou sobre uma geração relevante ser possível ou não.

Ziel Machado falou sobre uma geração relevante ser possível ou não.

Ariovaldo Ramos explanou seu conceito sobre a Ética da manutenção

Ariovaldo Ramos explanou seu conceito sobre a Ética da manutenção para um mundo melhor possível

Utopia Cristã:

Cada pessoa mais parecida com Cristo

Cada relação mais parecida com a trindade

Cada sociedade mais parecida com o Reino de Deus

Igreja: Projeto

O Estado supera as contradições” Hegel

“O Estado é palco das contradições” Marx

“A Utopia cristã supera as contradições, mas a igreja é o palco de todas elas.” Fabrício Cunha

Tema de cada dia na parede

Tema de cada dia na parede

Leia +