Manifesto pela vida de Asia Bibi

Queridos amigos e amigas de caminhada cristã,

Por ocasião da atual série de mensagens em nossa comunidade local (Comunidade local, Mentalidade global), tomamos conhecimento da triste situação que envolve Asia Bibi, mulher paquistanesa de 45 anos, casada e mãe de cinco filhos, que foi condenada à morte no último dia 08/11/2010, acusada de blasfêmia, exclusivamente por professar e confessar a fé cristã. (Veja a notícia na Folha.com, na BBCnews ou no blog The Voice of the Martyrs)

Diante disso, decidimos que não podemos nos calar diante dessa atrocidade e de tão grave violação dos direitos humanos e da liberdade religiosa.

Estamos elaborando uma petição, a ser encaminhada à Embaixadora Maria Luiza Ribeiro Viotti, representante do Brasil na Missão Permanente perante a Organização das Nações Unidas, requerendo providências no plano diplomático para a imediata libertação e retirada das acusações que pesam sobre aquela irmã em Cristo.

Você pode assinar a petição acessando o link: Libertem Asia Bibi (clique).

Convidamos você a orar por Asia Bibi, seu esposo e filhos. Que Deus os fortaleça diante desta luta e que Ele intervenha promovendo a libertação de Asia.

Além disso, fique a vontade para enviar este email para o maior número possível de pessoas de sua rede de relacionamento.

Naquele a quem amamos e servimos,

Ricardo Agreste
Pastor da Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera

 

Fim do semestre

Semestre passado encerramos mais um ciclo de disciplinas do mestrado em Ciências da Religião na Universidade Metodista de São Paulo. Abaixo duas fotos da turma. “Novos” movimentos religiosos nos séculos XIX e XX com prof. Dr. Leonildo Silveira Campos,  Teologia e Cultura com prof. Dr. Claudio Ribeiro e Transformações sócio-culturais e religião com a professora Dra. Sandra Duarte, esta foto realizada no Masp, aula de encerramento do curso, analisando obras do ponto de vista sócio-religioso.  A última foto, almoço entre alunos.

Aula com o prof. Dr. Leonildo Silveira Campos: “Novos” movimentos religiosos nos séculos XIX e XX - alunos do mestrado e doutorado
Aula com prof. Dr. Claudio Ribeiro: Teologia e Cultura (Paul Tillich)
Aula com a profa. Dra. Sandra Duarte: Transformações sócio-culturais e religião
Alunos do mestrado: Marcia (RJ), Emerson (SP), Alex Fajardo (SP), Sandro (Curitiba), Lídia (SP) e Rodrigo Coelho (RJ)

Missiologia – Histórico da Missão Integral

Fabricio Cunha traçou na lousa o caminho histórico da evangelização protestante mundial nos últimos 100 anos, com ênfase na Missão Integral

Na noite do dia 24 de fevereiro, ocorreu na Faculdade Teológica Batista de São Paulo, uma aula especial sobre Missão Integral, na disciplina de Missiologia. Fabricio Cunha foi convidado para realizar a aula sobre a história da Missão Integral na América Latina. Fabricio que atualmente realiza pesquisas sobre o tema para o seu mestrado que esta em andamento em Ciências da Religião na Universidade Metodista de São Paulo, explanou por cerca de uma hora o assunto que certamente daria para ser discutido durante um semestre em sala de aula, tamanho seu contexto, história e relevância na caminhada de grupos do protestantismo latino-americano.

Fabricio ampliou o tema, iniciando a história através dos primeiros congressos sobre evangelização no início do século XX, onde explicou o contexto mundial dos congressos de 1900 em Nova York nos EUA e 1910 em Edimburgo na Escócia. Viajando pela história da missões no mundo e suas vertentes, chegou em Lausanne 1974, e os encontros do CLADE na América Latina a partir de 1969. A aula prosseguiu aterrisando em solo brasileiro e explicando seus desdobramentos a partir do Congresso Nacional de Evangelização (CNE) em 1983.

O Tema que se manteve desconhecido nas últimas décadas por alunos, e restrito a alguns círculos de pensadores da primeira geração pós Lausanne I, vem arrebatando cada vez mais Seminários e Faculdades de Teologia de diversos locais do Brasil que estão incluindo cada vez mais a temática da Missão Integral como disciplina a ser estudada e debatida em suas salas de aula.


Líderes evangélicos discutem formação de uma rede nacional

Os participantes em oração pela igreja brasileira: Durvalina Barreto Bezerra do Betel Brasileiro intercedendo ao microfone

Dia 14 de dezembro de 2009 ocorreu na IBAB (Igreja Batista de Água Branca) um encontro de 90 líderes do protestantismo nacional representantes de entidades, organizações e instituições. O Intuito do encontro é a criação de uma aliança em formato de rede que agregue todos. A Reunião foi convocada pelos líderes Ariovaldo Ramos (Missão Integral), Bertil Ekstrong (WEA), Débora Fahur (RENAS), Fabrício Cunha (IBAB Jovem e Usina 21), José Libério (Toca do estudante), Luiz Mattos (ALCEB), Silas Tostes (AMTB), (Visão Mundial) e Welinton Pereira (Visão Mundial).

A Reunião teve início as 09:00hs e foi aberta por Valdir Steuernagel que agradeceu a todos que foram chamados e trouxe uma palavra de gratidão, em seguida passou a palavra para Ed René Kivitz que trouxe uma palavra reflexiva sobre o texto do evangelista Mateus 4.23 – Ed René discorreu sobre o fracasso dos modelos socialistas e capitalistas e que o mundo clama por algo e que o evangelho não propõe apenas um outro mundo possível mas um novo ser humano possível, disse que participa da reunião com sentimentos misturados e fez um alerta dizendo que sofre arrepios quando a palavra representatividade é utilizada no meio evangélico, pois buscam o reconhecimento da Rede Globo apenas, que ele crê que este encontro não quer isto, pois as figuras do Reino de Deus são de subversão e muitos perderam o caminho da fermentação e abraçaram o caminho da pretensão. Alertou que a rede deve procurar articular a igreja para o serviço e não para a representatividade, é uma rede que coloca a toalha na mão do povo de Deus, a rede não deve se articular para salvar o movimento evangélico, pois se ele esta morrendo, deixe que morra. Quem fará parte desta aliança? Pergunta Kivitz, ele próprio responde, quem esta servindo e quer servir! “O que deve nos trazer aqui é a multidão que agoniza e não o movimento evangélico” afirmou o pastor que finalizou reforçando “Que estejamos aqui com a motivação de criar uma rede de solidariedade e serviço e não de representatividade.”

Em seguida Valdir Steuernagel passou a palavra para o sociólogo Paul Freston que apresentou dados sobre o Brasil e os evangélicos. Trouxe um histórico dos movimentos que buscavam representar os evangélicos e tempos passados e com erros e acertos passados disse que “O modelo não pode ser o do personalismo de um líder carismático, que exige-se um esforço muito grande, pois para ter lastro e duração é preciso contar com pessoas capacitadas que se disponham a gastar tempo para dar densidade ao processo de maneira que a Aliança tenha organicidade.” Dentre suas palavras informou que ninguém controla a imagem pública, não temos controle sobre o que a mídia vai divulgar sobre nossa imagem articulação ou movimento. (O que Paul Freston disse na reunião sobre a mídia já pode ser constatado um mês depois do encontro em alguns blog`s franco-atiradores)

Logo após houve um momento de oração específica por 5 pontos: 1 – Oração pela unidade da Igreja; 2 – Oração pela liderança evangélica; 3 – Oração por uma Igreja comprometida com os valores do Reino de Deus;  4 – Pela Aliança que esta se formando e 5 – Pelos Seminários, Faculdades e Escolas e institutos de formação de obreiros existentes no Brasil

Em um segundo momento houve a apresentação de Débora Fahur da RENAS (Rede Evangélica Nacional de Ação Social) que explicou como funciona o modelo de rede em contraste com o modelo clássico da pirâmide, pois a rede tem a característica importante da horizontalidade que é entendida como uma qualidade de relações que se dão fora do contexto dominação/subordinação que é o resultado e produto do acionamento simultâneo de alguns valores como: respeito a diferença e a diversidade, à autonomia, ao reconhecimento da interdependência, à co-responsabilidade e à colaboração, expressos em práticas de gestão da rede nos relacionamentos entre membros.

A proposta do modelo de formação e funcionamento em rede já existe, o que não foi decidido ainda na reunião é o nome da entidade, provisoriamente estão chamando de uma Aliança Evangélica, pois desde os tempos da extinta AEVB (Associação Evangélica Brasileira) os evangélicos de linha histórica não se reuniam para uma representação em conjunto.

O bispo anglicano Dom Robinson Cavalcanti que se deslocou do Recife para participar do encontro disse que (vídeo neste post) “A representatividade não é uma escolha; é uma consequência sociológica”, e brincou com os números onde diz que a noiva de Cristo se tornou um harém de tanta igreja existente. Jasiel Botelho presente na reunião não perdeu a oportunidade de realizar uma charge da constatação (reproduzida abaixo neste post)

Um dos organizadores do encontro, o pastor Fabrício Cunha em entrevista para este blog ao elaborarmos a matéria, quando questionado sobre a importância do evento disse que “A Associação, Alianção, Rede ou Confederação é um importante passo numa caminhada que já tem lastro, história e legitimidade por conta da antiga CEB (Confederação Evangélica Brasileira), que atuou de forma efetiva entre os anos 30 e 64, quando foi inviabilizada pela ditadura militar. Precisamos ocupar alguns espaços que reclamam maior presença cristã e pedem por representatividade, que pode ser feita de forma saudável ou não. Por isso nosso sentimento de pertença à história. Fazemos parte de uma caminhada e não queremos inaugurar nada que já não tenha existido e que não represente uma reação a uma demanda de nosso tempo, a de, enquanto evangélicos, trabalharmos para que as pessoas se pareçam mais com Cristo, as relações sejam mais baseadas no paradigma trinitário e a sociedade baseie seu modus operandi na agenda do Reino de Deus.”

Neste post vale relembrar a Confederação Evangélica citada por Fabrício que nos informou que A CEB foi inaugurada em 1930 com o papel de representar o segmento evangélico e formar um órgão cooperativo em vistas da construção de uma identidade evangélica nacional e de projetos que fossem comuns, acompanhando os passos na América Latina após o Congresso do panamá em 1916.  Era formada por secretarias, das quais se destacou a célebre Secretaria de Ação Social, liderada pelo pastor Erasmo Braga. Convocaram uma seqüência de encontros nos anos 50 e 60, dos quais se destacou a Conferência do Nordeste em 1962, com o tema “Cristo e processo revolucionário brasileiro”. Foi inviabilizada em 1964 pela ditadura militar e reaberta  em 1987 sem o mesmo intuito e motivação.

Uma das bases confessionais para o encontro foi o Pacto de Lausanne, declaração de fé da ALCEB e o código de ética da Aliança Evangélica Mundial, sobre os fatores que motivam a caminhada dos que participaram do encontro, são três:

1. A absoluta necessidade de responder ao chamado do Evangelho no contexto de significativos setores da igreja brasileira dos nossos dias e no nosso contexto.
2. A percepção comum e imperativa de que necessitamos uma espécie de aliança que seja agregadora, ágil e representativa e, ao mesmo tempo, possa existir com o mínimo de burocracia e custos.
3. A busca por uma aliança que congregue redes já existentes, no objetivo de que elas sejam a nossa voz e expresse a nossa realidade, tanto no Brasil de hoje como em relação aos processos de representatividade externa a que somos chamados nestes nossos tempos.

Vale ressaltar que a reunião não esta sendo formada em nome de uma pessoa ou igreja específica, pois diversas entidades participaram do encontro na forma de associações, faculdades, institutos e organizações como AMTB, APMB, Convenção Batista Nacional, ABUB, MPC, JV, FLAM, Seminário Teológico Servo Cristo, Visão Mundial, Igreja Episcopal Anglicana, Movimento Encontrão ligado à Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil, Fórum jovem de Missão Integral, Revista Ultimato, W4 Editora, Rede Fale, RENASFTL – ContinentalCompassion, Seminário Betel Brasileiro, Missão AVANTE, Missões Quilombo, Desperta Débora, Toca do estudante, Instituto Anima.

A Mídia cristã se fez presente através de Klênia Fassoni da Revista Ultimato, Whaner Endo do Portal Cristianismo Criativo e entre diversos blogueiros este aqui que escreve este post.

A reunião que durou quase 5 horas finalizou com uma carta de princípios que diz que a aliança é uma “rede que visa ser expressão de unidade de cristãos evangélicos no Brasil e de ação, reflexão e posicionamento evangélico em questões éticas e de direitos humanos”. Silas Tostes foi o redator da carta que captou diversas sugestões dos pequenos grupos que se reuniram por cerca de uma hora para elaborar as indicações e debater os princípios que nortearam a futura aliança, a carta ainda é provisória. Segundo o facilitador da reunião, Valdir Steuernagel houve uma rica discussão em torno da proposta e que a próxima reunião ainda não será a de fundação pois reconhecem a necessidade de maior diálogo e formação de mais líderes em volta da proposta. O próximo encontro será realizado entre os meses de maio e julho de 2010 em local a ser definido ainda pelos organizadores.

Texto, fotos e vídeo Alex Fajardo

Luterano Valdir Steuernagel e o sociólogo Paul Freston
Paul Freston: “Funções públicas vão acontecer. As instâncias sociais querem saber o que os evangélicos estão fazendo e pensando. E não há interlocutor. Este vazio será certamente preenchido por alguém. Como fazer isto sem ingenuidade sociológica, mas sem perder o idealismo do Evangelho?”
Valdir Steuernagel , Fabricio Cunha, Robinson Cavalcanti e Key Yuasa observam palestra de Paul Freston
Key Yuasa (Curitiba, Igreja Holliness) orando pela unidade da Igreja
Key Yuasa de Curitiba da Igreja Holliness ora pela unidade da igreja brasileira
Fabricio Cunha que faz parte da nova geração de líderes da igreja brasileira explica os diversos nomes sugeridos para a futura aliança
Ricardo Agreste da Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera em Campinas conversa com Valdir Steuernagel sobre pontos da Carta de Princípios da futura rede
O Bispo e o pastor: Robinson Cavalcanti e Ed René Kivitz dialogam sobre o movimento
Participantes se dividiram em grupo para propor pontos na Carta de princípios
Diretor nacional da Mocidade para Cristo (MPC) Marcelo Gualberto se deslocou de Belo Horizonte para o encontro
Pr. Cláudio Ely Dietrich Espíndola -representando a Convenção Batista Nacional também analisou a Carta de princípios
Ao centro da foto o pastor Rogério Quadra ligado ao Fórum Jovem de Missão Integral e obreiro do Instituto Papel de Menino, que desenvolve um trabalho junto aos menores infratores da Fundação Casa também esteve presente
Presbiterianos: Ricardo Barbosa de Souza pastor da Igreja Presbiteriana do Planalto em Brasilia, conversa com Hilton Figueiredo da Fundação Grão de Mostarda e do Seminário Servo de Cristo
Exército da Salvação também esteve presente no encontro
Todo evento foi registrado pelo pastor José Libério da Toca do Estudante: futuramente material será disponibilizado em DVD
Silas Tostes presidente da Associação de Missões Transculturais Brasileiras é o responsável pela redação da Carta de prinípios
Chargista Jasiel Botelho esteve no evento representando os Jovens da Verdade e a FLAM
Modelo em rede substitui o modelo piramidal

.

Eu estou farto – Ariovaldo Ramos

Ótimo texto de Ariovaldo Ramos este abaixo, não apenas belas palavras, mas para quem o conhece de perto e o acompanha, sabe que é um vida de lutas dentro da Igreja Brasileira. O artigo todo é interessante, entretanto chamo a atenção quando ele explica sobre o uso da palavra esquerdista, o termo já não é mais utilizado. Pessoas não acompanham o ritmo e ainda classificam o mundo através da dicotomia comunistas e capitalistas. Esses dias li um artigo de alguém acusando o próprio Ari de comunista, esses termos já não cabem mais no vocabulário, estão atrasados, o único país do mundo que em pleno século XXI se encontra comunistas é na Coréia do Norte segundo o renomado professor de História Geoffrey Blainey. Enquanto pessoas não se atualizam e ficam utilizando termos em desuso (como comunistas, socialistas, esquerdistas) seus vocabulários estão tão atrasados quanto suas mentes, por isso continuam em batalhas quixotescas contra moinhos de ventos que só existem em suas mentes. Enquanto alguns puxam o freio de mão e só reclamam, tem muita gente realizando e construindo a história em parceria com Deus e tocando o barco.

Abaixo o texto do Ari publicado originalmente em seu blog.

———————————-

Acabei de ler uma asquerosa crítica à Senadora Marina Silva. Faltam dados, falta seriedade, falta responsabilidade!

A crítica foi publicada num site que se propõe ser arauto de mídia séria! Mas,  de fato, é porta-voz do que era chamado, no tempo em que as ideologias estavam na pauta, de extrema direita.

Parece que ainda há quem tenha saudade do tempo em que se torturava a quem quisesse, quando quisesse.

Gente para quem a palavra democracia não significa nada.

Recentemente, um artigo publicado nessa mídia me citou, acusando-me de esquerdista, pró-aborto e de pró-gayzismo. E já fui questionado quanto a isto.

Não sou pró-aborto, mas, também, não sou a favor desse estado de coisas, onde a mulher é usada e abusada, onde a orientação sexual não chega aos pobres, onde o Estado se omite e faz vistas grossas ao estado de violência a qual o jovem e, principalmente, a moça está submetida, pela alienação das drogas e dos bailes funks, que sustentam o machismo que faz da mulher o mais abjeto objeto. E não sou contra a mulher vítima de estupro, e cuja gravidez lhe seja fatal, ser assistida na interrupção de sua gravidez.

Não sou pró-gayzismo, seja lá o que isso signifique, mas sou a favor dos direitos civis. Sou contra a tentativa do movimento gay de reescrever a Bíblia, mas, também, sou contra privar os homossexuais do usufruto do património de construção conjunta. Sou contra o impedimento de ajudar a um homossexual que o queira deixar de ser, como sou contra a hostilização de um ser humano porque ele ter se declarado homossexual.

A palavra esquerdista não faz mais sentido, nos dias correntes. Eu sou progressista! Sou a favor da reforma agrária, do acesso universal à educação, à moradia, à saúde, ao transporte urbano, à alimentação adequada. Sou a favor da distribuição de renda, da erradicação da pobreza, da sustentação do meioambiente e da democracia.

Sabe de uma coisa? Eu não sei quanto a você, mas eu estou farto dessa gente que se acha dona da verdade, e que, em nome do que acham ser a verdade, vivem a matar pessoas.

Farto dessa gente que se apossou de Deus, como se Deus fosse um objeto que se possa ter e manipular.

Essa gente que não considera como semelhante quem não concorda com eles!

Recentemente, também, uma série de e-mails anônimos foram disparados me caluniando, tentando me vender como um pecador dissimulado, para dizer o mínimo.

Estou farto desses covardes, sem caráter que, por detrás do anonimato, vivem a tentar destruir a vida dos outros.

Estou farto dos que dão ouvidos a eles, fazendo valer a calúnia e a difamação.

Estou farto dessa gente que anima suas rodas de amigos falando mal dos outros, zombando da desgraça alheia.

Farto dessa gente que vê fantasma em todo o lugar, que está sempre procurando alguém para atacar e para destruir.

Estou farto dessa gente que não sabe o que é debate intelectual, que toma tudo como pessoal, porque se vê como a medida para a verdade.

Farto dessa gente que em vez de pregar o Evangelho, fica checando se os outros o estão.

Checando se o outro crê “certo”.

Estou tão farto disto, tanto quanto, dos que estão invocando Deus para obter dinheiro para os seus negócios, travestidos de ministérios,de  igreja ou de denominação.

Dos que lutam pelo poder denominacional, transformando o Odre em algo mais importante do que o Vinho.

Também, me fartei dessa gente que quer destruir tudo, confundindo a igreja local com a deturpação da denominação, confundindo o povo com os seus maus líderes e que se tornam líderes tão maus quanto os que condenaram, e que saem pelo mundo atacando os pastores e as estruturas com a mesma fúria dos que as estão usando para benefício próprio.

Estou farto desses apóstolos que venderam que tinham de ser apóstolos para derrubar as potestades nas cidades, as mesmas que foram destronadas na Cruz de Cristo!

Estou farto dos que não usam o título de apóstolos, mas agem do mesmo jeito!

Estou farto dos liberais, que rasgam a Bíblia e saem a zombar de quem crê.

Estou farto desses ecuménicos que dizem celebrar a fé, de modo indistinto, mas não conseguem estender a mão para o irmão pentecostal.

Mas jamais me fartarei da Igreja:

A Igreja é a comunidade da fé! É a nossa casa!

A Igreja é lugar de perdão e de reconciliação.

O que é oferecido a todos nós, inclusive para os que agem como se não o precisassem, é a oportunidade de se arrepender.

A fé cristã não prega a impecabilidade, prega o arrependimento!

A fé cristã prega que o amor é demonstrado no perdão e no serviço!

A gente deve continuar a lutar pela Igreja!

Continuar a lutar pelo resgate da humanidade, e de toda a criação de Deus.

Nosso problema não está no termos pastores ou presbíteros, mas em sermos todos apascentadores.

Nosso problema não está em darmos dízimos e ofertas, mas em como ofertamos, e como usamos as nossas ofertas e dízimos.

A Igreja somos nós, e o único Ungido é Cristo Jesus.

Todo poder: seja religioso ou econômico ou de qualquer natureza, tem de ser controlado pela totalidade do povo.

Se você está farto como eu, não saia da Igreja, Igreja é invenção de Jesus.

“Jesus disse que onde 2 ou 3 estiverem reunidos em seu nome, ele lá estaria.” Mt 18.20

Jesus seria a 4ª pessoa naquela reunião.

Jesus seria a visita especial.

Ali Ele segredaria o que não pode dizer pessoalmente. Paulo disse que só com os demais irmãos é possível conhecer o amor de Cristo, em toda a sua dimensão. Ef 3.18

Alguns têm entendido que essa reunião é o fim de toda a formalização, a comprovação de que nunca precisamos de formalização alguma.

Mas, o que é reunir-se em torno de Jesus?

Jesus instituiu como reunião em torno dele a reunião em torno da ceia do Senhor.

Jesus disse que  toda a vez que comêssemos do pão e bebêssemos do vinho, o anunciaríamos, até que  ele volte. 1 Co 11.26

É em torno da ceia  do Senhor que nos reunimos em nome do Senhor.

Isso é formalização: tem hora, tem maneira e tem lugar. E é seríssima, pois Paulo disse que, dependendo da forma como participamos da ceia, podemos sofrer consequências, inclusive morrer mais cedo. Logo, também tem liturgia. 1 Co 11.27-30

Então, reunir-se em nome de Jesus é reunir-se em torno da ceia.

Lá anunciamos o perdão com o que somos perdoados e com que perdoamos.

Lá anunciamos a ressurreição, o poder pelo qual vivemos.

Lá o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre.

Lá é a reunião da Igreja!

Todas as reuniões só serão da igreja se o forem em torno da mesa, mesmo que a mesa não seja arrumada para aquele dia.

A mesa da ceia é a mesa da comunhão. Lá nasceu a Igreja e lá ela é mantida.

.

Nordestinamente – Gerson Borges

Depois de ter gravado o álbum A Volta do Filho Pródigo há cerca de 3 anos, Gerson Borges retornou ao estúdio e saiu dele com chapéu de couro na cabeça e com o seu mais novo CD com o título: Nordestinamente.

A Grande maioria das letras são do próprio Gerson que com a poesia correndo pelas veias, nos apresenta suas canções neste álbum com 13 faixas, sendo que logo na primeira faixa podemos ouvir Roberto Diamanso declamando sua paixão ao violão e a viola enaltecendo a Deus com sua poesia, cada avanço no play uma surpresa para o ouvido do povo que desaprendeu a ouvir as coisas boas do sertão e seu ritmo. Falando em ritmo, o público irá encontrar desde o baião ao xote. No encarte do álbum existe um comentário de Gerson sobre as letras, além da música que traz título ao trabalho que diz em sua primeira linha “Nordestino não é um destino, é qualificação …”

Destaque para a criatividade da letra Discipulado, onde cita na letra os mestres da musicalidade brasileira onde lembra Gonzagão, Caymmi, Noel Rosa, Rebanhão, Som Maior, VPC, Bomilcar, Rehder, Pimenta e chegando a Chico e João Gilberto.

Particularmente estou ouvindo principalmente as canções “Se eu sou poeta” que tem participação especial do Paulo Nazareth da banda Crombie, e “Dezoito (Tempus Fugit)”, tive o prazer de ser agraciado com o trabalho a cerca de uns 3 meses em um encontro casual com Gerson em São Bernardo do Campo. Por causa dos estudos na Universidade Metodista, tive a oportunidade de encontrá-lo algumas vezes e em cada conversa pude sentir a poesia e sua fala expressando o cuidado com a Igreja de Deus, cuidado com o rebanho e com seus amigos, posso testificar que Gerson não apenas canta para Deus, mas transborda Deus em sua vida.

Grande abraço apertado a este querido do coração.

Fica a dica além do CD, ouça a entrevista que Gerson concedeu ao Nelson Bomilcar neste link. Textos de Gerson Borges podem ser encontrados neste blog do poeta ou em sua coluna no Portal Cristianismo Criativo Para quem tem Twitter, pode acompanhá-lo neste link. Neste outro link o site oficial do CD Nordestinamente.

Leia +

Formspring – nova ferramenta na Internet

Anônimo: Pergunta o que quer, ouve o que não quer

A Internet é uma caixinha de surpresas, ora para o bem, ora para o mal, ou melhor, depende da forma como pode ser utilizada as ferramentas disponibilizadas. A Mais nova ferramenta de integração no mundo virtual é o site Formspring – uma espécie de rede social baseada em perguntas e respostas, tudo isso através de um formulário público onde é possível a pergunta realizada por anônimos, cabe o dono do formulário aceitar e responder ou não o curioso anônimo, caso o usuário seja cadastrado no site, a pergunta por ser feita com identificação.

Alguns levam na brincadeira, outros na seriedade. Cesar Maia, ex-prefeito do Rio de Janeiro aderiu ao site para responder a seus eleitores e simpatizantes.  A ferramenta pode servir para realizar amizades, conhecer mais sobre algum amigo da net, servir como networking. Entretanto sempre tem aqueles que usam a plataforma como inspiração de revistas de fofocas ou perguntas particulares e de foro íntimo.  O blogueiro Sérgio Pavarini já se deu ao luxo de responder mais de 250 perguntas desde questionamentos importantes até coisas sem sentido como foi o caso de alguém querer saber se ele era dizimista, ou se na opinião dele masturbação é pecado ou como alguém faz para ganhar dinheiro com blog.  O Universo é crescente dos amigos e pude encontrar perguntas curiosas como se o sobrenome do J. Mossad é artístico ou familiar. Fiz meu cadastro no site e pude perguntar ao Osmar Guerra como ele deixou de ser pastor e pude descobrir onde meu camarada virtual William Koppe cursou teologia. No mundo do Formspring o leitor poderá encontrar perguntas teológicas ou definições interessantes como foi a resposta que Fabricio Cunha deu sobre o conceito de vocação.

Participe ou não desta nova ferramenta da net, para o público deste blog segue alguns endereços de alguns camaradas que conheço e sigo também via Twitter.

Formspring de Osmar Guerra

Formspring de J. Mossad

Formspring de Fabricio Cunha

Formspring de Sergio Pavarini

Formspring de Charles Gomes

Formspring de William Koppe

Formspring de Thiago Bomfim

Formspring de Kennedy Lucas

Formspring de Will

Formspring de Cleoci

Formspring de Tom Fernandes

Formspring de Paulo Cassiano

Formspring de Rogério Silva

Meu Formspring – Alex Fajardo

Leu este post e abriu um Formspring? envie nos comentários seu endereço ou via e-mail que incluo no post.

.

2010 – Continuamos na esperança

Galera voltamos na ativa, depois de um longo inverno (nem tanto), ou melhor, depois do recesso de final de ano deste blog, depois de shopping`s lotados em dezembro, natal com fins econômicos, esquecimento do menino Deus por muitos, fim de ano, fogos, luzes, rojões esse fim de ano tive até direito a oração a dois dentro do carro a poucos minutos do show de luzes e sons da virada na pacata cidade de Jarinu numa chácara de amigos.

Enfim, passado tudo isso, o forte simbolismo da virada do calendário anual, retornamos as nossas vidas de correria sem perder a esperança e a ternura. Alguns post`s e eventos atrasados de dezembro vão ser devidamente atualizados essa semana com muita alegria. Daqui um mês faremos dois anos de blog e já estamos caminhando para 80 mil visitantes neste espaço cibernético.

Abraço a todos e que iniciemos o ano com Cristo no barco e a visão do Reino de Deus norteando nossas vidas.

Jorge Rehder – Homenagem

Charge: Wilson Tonioli

Depois de uma dura batalha contra o câncer, faleceu nesta madrugada o poeta/compositor Jorge Rehder.  Uma lacuna fica na vida dos familiares, na vida da igreja e na história da música protestante brasileira.

Das mais de 130 gravações e composições, estão “Barnabé”, “Dá multidão”, “Rei das Nações”, “Em todo tempo”, muitas delas gravadas pelos Vencedores por Cristo e Grupo Logos. Além de suas canções, Jorge Rehder tem parcerias de composições com Guilherme Kerr, Nelson Bomilcar, João Alexandre, Carlos Sider e Jorge Camargo. Deus convida Jorge para compor canções ao lado dos poetas Janires (1988) e Sérgio Pimenta (1987). Comentando sobre o falecimento de Jorge, meu camarada Moisés no comentário neste post disse, “Os bons vão indo … aos poucos….”

Acima a linda homenagem feita pelo chargista Wilson Tonioli.

Leia +

Barack Obama: Duas orações, duas fotos

Circula na internet a foto abaixo onde Barack Obama esta no centro recebendo oração de diversos pastores negros. A circulação via e-mail na internet diz que a foto foi realizada nos bastidores minutos antes da posse por pastores amigos de Obama e que isso a imprensa americana não mostraria. Ledo engano. A foto foi realizada em 6 de julho de 2008 quando ainda senador,  Obama estava em campanha para a presidência. Foi em uma sessão da Conferência Geral da Igreja Episcopal Metodista Africana realizada em St. Louis.  Obama discursou no evento e ali foi realizada esta oração.  A História completa da foto pode ser vista neste blog americano.

 

oracao-pastores-metodistas

 

A segunda foto, agora sim eleito presidente, é realizada na posse de Barack Obama em 20 de janeiro de 2009. A oração oficial é realizada pelo pastor mídiatico Rick Warren fundador da igreja Saddleback na Califórnia e escritor do best-seller Uma igreja com propósitos.

 

rick-warren-oracao

Mark Driscoll – fora do senso comum

mark-driscoll

No Youtube nos últimos meses pipocaram vídeos legendados de Mark Driscoll, o cara da foto ao lado. Quem assiste dois ou três vídeos dele já pode perceber que o ele foge a regra do senso comum dos pregadores midiáticos.

 

Muita gente já leu o livro Como os pingüins me ajudaram a entender Deus, escrito por Donald Miller, mas algumas pessoas passam despercebidas sobre quando Miller cita Mark Driscoll. Reproduzo um trecho a partir da página 130 do livro.

 

“Eu tinha um amigo em Seattle chamado Mark. Ele era pastor de uma igreja bastante legal, localizada perto da Universidade de Washington … Certa vez, fui lá para visita-lo e adorei a comunidade que ele tinha reunido. Pela primeira vez em anos, eu consegui respirar. A visita àquela igreja em Seattle me ajudou a perceber que eu não estava só no mundo. Falei aos meus amigos, companheiros da igreja que eu freqüentava, sobre o lugar que acabara de conhecer, mas eles não me entenderam. Mark tinha escrito diversos artigos para revistas seculares e tinha sido entrevistado algumas poucas vezes na rádio, criando uma reputação de um pastor que dizia palavrões. É verdade que Mark dizia muitos palavrões. Não sei porque ele fazia aquilo. Talvez por não ter se tornado cristão antes de entrar para a faculdade, ele não soubesse que não deveria falar palavrões e ser um pastor. Acho que alguns dos meus amigos acreditavam que o objetivo do diabo era levar as pessoas a fazer uso de palavras pouco educadas, de modo que eles achavam que eu realmente não deveria me envolver em nada que contasse com a participação daquele pastor de reputação duvidosa. Isso em função dos palavrões … Mas, como eu disse, eu estava morrendo por dentro, e, embora Mark dissesse palavrões, ele estava falando sobre Jesus a um monte de gente, estava sendo socialmente atuante e parecia amar um monte de gente que a igreja estava negligenciando, como os liberais e os bêbados.”

 

Na internet em português pouca coisa atualizada sobre Driscoll, existe uma matéria de 2007 realizada sobre ele na revista Christianity Today e que foi reproduzida pela versão brasileira da revista no final de 2008.  Fui à busca de informações em sites americanos para saber mais sobre Driscoll.

 

Mark Driscoll nasceu em outubro de 1970, apesar de vir de uma família católica, nunca tinha estudado a bíblia até os 20 anos, ganhou uma bíblia de presente ao ser evangelizado por uma filha de um pastor. Ele começou a estudar a bíblia e a namorar a garota. Acabou casando com ela. Se formou e aos 25 anos iniciou a igreja Mars Hill que a princípio se reunia em seu apartamento. Em outubro de 1996 a igreja contava com 160 membros, e em pouco tempo teve uma redução para 60 membros por causa de discussões sobre a visão de Driscoll sobre a missão da igreja. 12 anos depois, no final de 2008 a igreja contava com 7.500 membros participantes em seus serviços de cultos em Seattle.

 

De teologia calvinista/reformada Driscoll recebeu muitas críticas de teólogos americanos e de próprios membros de sua igreja, ele ia para a praça pregar e dizia que poderiam ficar ali fumando e bebendo conquanto ouvissem o que ele tinha a falar sobre a bíblia, e com isso ele começava a alcançar os bêbados, drogados, yuppie’s e prostitutas de Seattle.

 

Circulando na blogosfera cristã americana, muita coisa se tem dito a favor e contra Mark Driscoll. Os piores ataques são sobre sua postura em relação às mulheres como lideres em setores da igreja, a questão não é que ele simplesmente não se posiciona, mas em diversos ensinos e escritos ele reforça essa tese. Repercussões sobre o assunto podem serem vistos clicando aqui e aqui

 

Segundo o site Theopedia.com Driscoll foi eleito pela Revista Christianity Today como um dos pastores jovens mais influentes da América com mais de 1 milhão de downloads de seus sermões por ano.

 

Recentemente o New York Times escreveu sobre ele, conforme avalia o blog biggzipp.com no geral o artigo foi negativo em atacar Driscoll e o calvinismo. Mas de uma coisa ninguém nega, ele é firme em suas palavras e apaixonado pela fé, entretanto o seu diferencial é sua abordagem sarcástica e provocadora no púlpito, poucos negariam que seu estilo as vezes cai fora dos limites do decoro pastoral normalmente definida dentro dos “limites evangélicos”, mas perfeitamente dentro dos limites do Reino de Deus segundo ele próprio afirma que Jesus era provocador com sua audiência.

 

No Inicio do movimento da Igreja Emergente, Driscoll participou, inclusive dando palestra em diversas igrejas, todavia se afastou do movimento por chegar a conclusão que amigos do movimento (Brian McLaren, Doug Pagitt entre outros) estavam se afastando da ortodoxia, pois o que Driscoll afirma é que sua igreja é culturalmente liberal mas teologicamente conservadora.

 

Em outubro de 2006 ele foi atacado por um homem que subiu ao púlpito da igreja e queria matar Driscoll com uma faca, entre diversas ameaças certa vez teve que pregar em um local com um colete a prova de balas.

 

Mark Driscoll é conhecido também por sua sinceridade sobre suas confissões pessoais no púlpito e sua capacidade de vir a público pedir perdão quando falou algo de errado, como é o caso de quando ofendeu Brian McLaren em um fórum de discussão na net sobre homossexualismo, dias depois em seu blog ele pediu perdão e reconheceu o erro.

 

Além da igreja, ele também fundou a Rede Atos 29 uma rede de pastores e igrejas de diversas denominações que recebem cursos para plantação de novas igreja, em 2008 o projeto auxiliou a plantação de 43 igreja. Driscoll também utiliza a internet como um dos principais meios de comunicação com seus membros da igreja, seja por fórum, blog’s, sites com vídeos etc.

 

Driscoll virou amigo pessoal de Jonh Piper a qual já levou diversas vezes para falar em seu púlpito. Em um dos blog’s ligados a igreja, ele escreveu um artigo dizendo porque ama Jonh Piper, ele encerra o artigo dizendo:

“Eu não posso confirmar isso, mas creio que o Dr. Piper tem apenas um paletó. Eu vejo ele pregando com esse paletó todas as vezes,  e me parece que já tem alguns anos de serviço. Eu também acho que ele possui apenas um cinto, pois eu nunca vi nenhum outro. Ele dirige um carro simples, vive uma vida simples, não tem nenhuma tatuagem (pelo menos não que eu tenha visto), não anda de skate e gosta de ler coisas escritas por pessoas que já morreram. Mas ao tentar apenas ser ele mesmo, ao invés de tentar ser um cara cool, ele curiosamente se tornou cool, pois ele se importa com Cristo, e isso é sempre cool.”

Para encerrar esse artigo, deixo um dos principais vídeos dele, falando sobre porque ele odeia religião.

Retornando ao blog

alex-fajardo

Depois de mais de um mês afastado sem postar por aqui, eis que estou de volta, estava de férias no serviço e misturou início de ano, viagem, férias e aquela lentidão de início de ano. Enfim, estamos de volta. Muita gente já me perguntou o blog não estava mais atualizado. Agradeço a todos a visita, aliás sobre este domínio do wordpress estamos comemorando 1 anos com esse endereço na blogosfera. Foram mais de 28 mil visitas em um ano. Mesmo neste último mês de janeiro sem postar nada, ainda tivemos 2.406 visitas no blog segundo estatísticas do próprio wordpress. Obrigado a todos pelas visitas.

 

Mas mesmo não escrevendo neste blog, eu estava sempre acompanhando o mundo da blogosfera. Sérgio Pavarini já iniciou no Pavablog a campanha 2009 Livros só mudam pessoas, (veja ranking atualizado) ao qual além de participar também estou auxiliando na organização, em breve teremos um blog/site específico para a campanha. Neste ano de 2009 já foram sorteados 18 livros, participe também da campanha. Esse mês de janeiro fui pífio em leitura, apenas um livro.

 

Nos blog’s que sempre visito, também acompanhei a mudança de endereço do  blog Baptized in fire para o Charles Gomes, estive no mês passado em Foz do Iguaçu e depois que voltei de viagem é que conversamos e ele me disse que mora lá em Foz.

 

Neste mundo virtual também andei acompanhando o intrigante, reflexivo e instigante Lou Mello na Gruta, também sempre visitando os blog’s Celebrai, Volney Faustini, DoxaBrasil, Ricardo Gondim entre outros. Mas neste período pude perceber que é praticamente impossível acompanhar todos os blog’s da minha lista de favoritos no internet Explore, devo ter mais de 50, mas sempre acabamos visitando sempre uma meia dúzia deles. Ainda tenho que atualizar os link’s no menu lateral, novos endereços precisam ser incluídos.

 

Enfim (segundo enfim nesse texto rs..) este 2009 promete e deve ter muitas mudanças para mim, a começar que fazem 3 dias que estou participando das estatísticas da crise mundial, depois de 4 anos no mesmo serviço e devido a divisão da empresa e reestruturação fui a quarta pessoa este ano de um setor de TI que terminou 2008 com 11 e agora tem 7 pessoas.

 

Como diz o ditado que o Brasil começa a funcionar depois do carnaval, ainda temos 10 dias para esquentar os motores e correr para abraçar 2009.

Faixa de Gaza: foco da imprensa mundial

dc_wp-gaza-11

Desde o dia 27 de dezembro quando se iniciou o ataque de Israel a Faixa de Gaza, estou acompanhando os eventos pela imprensa. O evento que já deixou cerca de 500 mortos em 8 dias de ataque, vem sendo foco do jornalismo mundial. Ontem Israel iniciou a invasão ao território por terra. Os Principais jornais do planeta tinham suas capas, fotos estampadas sobre o ataque (como o jornal The Washington Post acima). Tenho conversado com algumas pessoas que tentam primeiro entender o que se passa naquele pedaço de terra, e o motivo de tanto derramamento de sangue. Ouvimos falar em Faixa de Gaza no jornal nacional, em Palestinos, partidos Hamas e Fatah, Cisjordânia, etc. 

 

Conversando com algumas pessoas nessa última semana, alguns nem sabiam de que o ataque estava ocorrendo, outros diziam que essa região sempre foi assim. Poucas pessoas que encontrei que pelo menos estão interessadas em saber os motivos e conhecer o histórico desse processo de guerra.

 

Queria insistir com você leitor desse blog, que procure atentar mais para este ataque desproporcional que Israel esta realizando. Seja para entender a situação política do local, seja para orar por ambos os lados.

 

Na internet além dos principais veículos de comunicação, quero indicar dois sites: Uma visão religiosa e outro de uma cobertura jornalistica.

 

– Este primeiro é o site de Ricardo Gondim que vem apresentando em diversos artigos, sua angustia, indignação e solidariedade para com os massacrados. Uma opinião balizada e centrada de um ataque que tem seu pano de fundo religioso. Em um dos artigos Gondim diz.

 

“Se existe alguma lógica religiosa que legitima o que vem acontecendo na Faixa de Gaza, eu não quero ter nenhuma parte com ela.

Se existe um deus que está no controle do massacre palestino, eu não quero ele. Prometo lutar contra tal divindade.

Se existem pessoas que concordam com o direito de uma nação  poderosa arrasar com outra muito mais fraca, eu não quero a companhia destas pessoas.”

 

– O Blog Diário do Oriente Médio do jornalista Gustavo Chacra que esta em Israel realizando a cobertura para o jornal Estadão. Lendo seu blog podemos ter uma visão do cotidiano, muito bem narrado por ele do que esta ocorrendo na região, seja a interpretação e reação dos povos que vivem ali, seja pela explicação política e social. Ao visitar o blog uma dica são os comentários dos post’s, muitos respondidos pelo Gustavo Chacra que tira dúvidas politicas, e fala sobre a cultura e religião da região. Em um dos post’s escritos, ele reclama da restrição que Israel impõe para a imprensa mundial em relação a acompanhar de perto os acontecimentos em Gaza.

 

“Mas a maioria terá que ficar aqui, em Israel, sem ver as batalhas de perto. É mais ou menos como um jornalista esportivo assistindo a apenas metade do campo em uma partida de futebol. O problema é que todos os gols acontecem na outra metade. E o jornalista terá que escrever tudo pelas notícias que escuta no rádio.”

Os mansos herdarão a terra

obama

Resisti ao fuso horário e na madrugada do dia 5 de novembro de 2008, sem um pingo de sono, acompanhei a vitória de Barack Obama. Chorei emocionado. Eu era cidadão do mundo, por isso vibrei como se festejasse uma final de Copa do Mundo. Senti-me irmão de todas as nações, tribos e povos que celebraram o exato momento em que terminou a votação na costa do Pacífico e as redes de televisão declararam a vitória de Obama.

Engasguei quando vi Jesse Jackson, o amigo que abraçou Martin Luther King Junior antes de sua morte, com os olhos encharcados de lágrimas.  Como um raio, lembrei-me de 3 de abril de 1968, na véspera do seu assassinato, Martin Luther King pregou como um profeta:

“Bem, agora não sei o que me acontecerá. Teremos alguns dias muito difíceis pela frente. Não tem importância para mim agora, porque eu já estive no topo da montanha. Não me importo. Como qualquer um, eu gostaria de ter vida longa. Longevidade tem o seu lugar. Mas não estou preocupado com isso agora. Eu só quero fazer a vontade de Deus. E ele tem me deixado ir ao topo da montanha, já posso enxergá-la; eu já vi a terra prometida. Talvez não chegue lá com vocês. Mas quero que saibam hoje à noite, que nós, como povo alcançaremos a terra prometida. Estou feliz nesta noite. Não estou preocupado com nada. Não estou com medo de nenhum homem. Meus olhos já viram a glória da vinda do Senhor.”

A eleição de Obama cumpriu esta profecia. Equivale, na história, ao dia em que Nelson Mandela foi libertado na África do Sul. Portanto, a festa não é só estadunidense, mas de todos os que amam a liberdade. As gerações futuras mencionarão o dia 4 de novembro de 2008 com orgulho. Será o dia em que foram curados os vergões deixados pelo chicote da escravatura; quando intolerância e preconceito perderam força; o dia em que as escravas trocaram seu lamento pelo riso; dia em que os negros puderam andar de cabeça erguida, sem se sentirem diminuídos pelo ódio racial; dia em que caiu por terra a antiga e estúpida teologia que ligava a maldição de Cã, filho de Noé, aos afro-descendentes.

Enquanto pregava em uma igreja pentecostal no sul dos Estados Unidos, acompanhei o pastor numa visita a um senhor, membro de sua comunidade que havia sido hospitalizado. Na enfermaria, o pastor comentou que notara sua ausência e perguntou se ele tinha algum motivo para faltar aos cultos. O doente respondeu que não retornaria enquanto negros continuassem freqüentando as reuniões. “Mas, eles também são filhos de Deus”, retrucou o pastor. “Não, os negros não são filhos de Deus porque nenhum deles tem alma”, respondeu o pobre homem. Envergonhado, meu amigo abreviou a visita; no trajeto de volta não trocamos nenhuma palavra.

A Ku Klux Klan não prevaleceu. Rosa Parks, a costureira que teimou em não ceder o lugar no ônibus para um branco no Alabama, sorri de alegria. Fez-se justiça a Medgar Evers, covardemente assassinado no Mississipi. Mais uma vez venceu o bem na longa, oblíqua e muitas vezes esburacada, estrada da humanidade. Jesus Cristo tinha razão: “os mansos herdarão a terra”.

Godspeed, Barack Hussein Obama!

Soli Deo Gloria.

Ricardo Gondim

Relacionamentos virtuais: apaixonados por nada

 “Um amigo meu, um pastor que recentemente abriu sua igreja, de tempos em tempos conversa comigo sobre a nova face da igreja nos Estados Unidos – sobre a igreja pós-moderna. Ele diz que a nova igreja será diferente da antiga, que nós teremos relevância na cultura e no esforço humano. Não acho que qualquer igreja tenha sido um dia relevante para a cultura e o esforço humano, a não ser acreditando em Jesus e no poder do seu evangelho. Se a suposta nova igreja acredita em música da moda e em páginas legais na Internet, ela também não é relevante para a cultura. Trata-se apenas de outra ferramenta de Satã para levar as pessoas a serem apaixonadas pelo nada.” – Trecho do livro Como os pingüins me ajudaram a entender Deus,  página 110, escrito por Donald Miller.

 

“Ninguém cresce em relações virtuais. Essa coisa da Internet pode ser um instrumento de Deus. Mas mais ultimamente e mais frequentemente é um instrumento do diabo, o Orkut é a “Caras” dos pobres. Sujeito quer aparecer na Caras e não aparece, então ele monta uma página no Orkut, ai ele mostra a casa dele, o cachorrinho dele, mostra o filho dele, aquilo que é privativo, aquilo que deveria ser resguardado fica escancarado, todo mundo entra, todo mundo vê, deixa palpite, dá conselho, dá opinião. Isso é uma coisa do diabo, não funciona. Eu não sei porque inventaram, alias eu sei, é para devassar a sua vida, você não vai crescer em relacionamentos virtuais. O relacionamento virtual ele se encerra numa tecla, é num click. Relacionamento virtual é um convite a mentira, a falsidade e a superficialidade. O relacionamento virtual é uma página de virtudes mentirosas, de personalidades falsas, inventadas e projetadas para que sejam aceitas, para que sejam admiradas. Ninguém cresce com isso, a gente só cresce no encontro do dia-a-dia, carne e osso, cara a cara, olho no olho, é na madrugada da lágrima, na necessidade do abraço, é na convivência do limite do amigo, do irmão, da esposa, do marido, do filho, do pai, da mãe, da filha, é na mesa, é na conversa, é no silêncio que incomoda, é ai que a gente cresce. Não se cresce em auditório, se cresce na relação.” (Ed René Kivitz, em pregação dia 19 de outubro de 2008 intitulada A Grande Omissão, que pode ser baixada em sua íntegra direto do site da IBAB clicando aqui)

 

Donald Miller: Pingüim na Convenção Democrata

Depois que o Ricardo do Diversitá postou no Pavablog sobre a oração que Donald Miller iria fazer na Convenção Nacional Democrata (onde Barack Obama foi aclamado), fiz uma pesquisa na net a procura de mais informação, encontrando apenas em alguns sites e blog’s americanos, mas nada mais em português. No site do Donald, ele diz que ficou honrado com o convite, e que vozes cristãs têm sido poucas dentro do partido desde a época de Jimmy Carter (presidente americano entre 1977 e 1981).

 

Li dois livros seus o ano passado, e aprendi a gostar de Donald principalmente ao ler “Como os pingüins me ajudaram a entender Deus” que virou best-seller nos EUA em se tratando de espiritualidade em uma era pós-moderna. O Livro esta virando filme esse ano. Fica uma dica para quem quer presentear alguém com um livro sobre espiritualidade, mas não quer carregar conceitos teológicos acadêmicos junto.

A participação de Donald na Convenção pode ser vista no Youtube, ele encerra sua oração dizendo:

“Eu faço esses pedidos em nome de seu filho, Jesus, que deu a sua própria vida contra as forças da injustiça. Que Ele seja nosso exemplo. Amém”

 

igreja X Reino

“O povo da igreja cogita sobre como colocar gente na igreja; o povo do Reino pensa sobre como colocar a igreja no mundo. O povo da igreja se preocupa com o fato de que o mundo possa mudar a igreja; o povo do Reino vê a Igreja mudando o mundo.” Howard Snyder – extraído do A Procura.

Quem é apaixonado, marcha… Quem ama, caminha…

 

 

Ontem em São Paulo aconteceu mais uma edição da Marcha para Jesus, hoje cedo conferi na capa da Folha de São Paulo a foto de 1,2 milhão de pessoas e uma foto específica do jogador Kaká que participou como um ícone publicitário do evento. Creio que uns 3 ou 4 anos eu li um texto no site Crer e Pensar sobre este assunto, o título é este mesmo: Quem é apaixonado, marcha… Quem ama, caminha… Segue o ótimo texto na integra, escrito por José Barbosa Junior.

———

 

“Há tempos pretendia escrever sobre a tal “Marcha Para Jesus”. Na verdade, desde o ano passado, mas acabei perdendo o “tempo”, a marcha se foi… e esse ano voltou, como todo ano volta. E cá estou eu, finalmente escrevendo sobre o “grande evento gospel” do Brasil (sei que a marcha acontece em outros países, mas quero falar de nós, brasileiros).Fiquei pensando nas grandes mudanças ocorridas nesse intervalo de um ano entre uma marcha e outra. Sim, a “Marcha Para Jesus” é um “ato profético”. Pelo menos foi o que ouvi de um auto-denominado “apóstolo”, marido da “bispa” que é um dos promoters da grande manifestação gospel de nossa igreja genuinamente brasileira. Deve ter mudado alguma coisa, ou então essa profecia é meio estranha. Pelo tempo que a marcha acontece (13 anos) alguma coisa deve ter mudado, e para melhor. Ou não mudou?O ato profético ao qual a marcha se agarra é o de que “todo lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado…” (Josué 1.3). Pelo menos isto foi o que ouvi do tal “apóstolo” num debate em uma rádio gospel.

 

A Marcha Para Jesus é o ponto de encontro dessa geração apaixonada. Vi na Tv a empolgação da grande massa que dançava freneticamente ao som eletrizante dos trios que me fizeram lembrar os trios da Bahia em época de carnaval. Muita dança, muita festa, pouco conteúdo! O grande problema é que gente apaixonada marcha, grita, canta e dança… mas só ENQUANTO está apaixonada. Mas fica a pergunta: e quando a paixão acabar? Sim, paixão é coisa que acaba um dia. Por mais que digam o contrário.

 

Sinceramente não tenho nada CONTRA a Marcha Para Jesus. Só a considero infantil. Coisa de criança. E em São Paulo toma ares de disputa com a Parada do Orgulho Gay. Quem tem a maior multidão? Quem consegue levar mais gente pra dançar atrás do trio? E aí, segundo a lógica dos organizadores se a MPJ tiver mais gente, é sinal que o nosso exército é maior que o do inimigo. Ô turma pra gostar de números… não é à toa que nossas estatísticas evangélicas costumam ser mentirosas. Mentimos vergonhosamente nos números de membros de nossas igrejas.

Voltando ao “ato profético”. O que a marcha profetizava? O que ela simbolizava? O domínio do território onde os pés “santos” pisaram? Não creio, pois menos de uma semana depois os homossexuais conseguiram colocar mais gente em sua “Parada do Orgulho(?) Gay”. Significava o senhorio de Cristo sobre o Brasil? Sinceramente não creio nesse senhorio “abracadabra”, onde bastam as palavras mágicas (aqui no caso o chavão “O Brasil é do Senhor Jesus”) e num passe de mágica o Brasil inteiro se converteria… bobagem… infantilidade… coisas de gente sem profundidade.

 

Richard Foster começa seu livro “Celebração da Disciplina” com uma frase que me marca até hoje: “A superficialidade é a maldição do nosso tempo”. Concordo plenamente com ele. E eu iria mais longe. Pior do que a superficialidade é a celebração dessa superficialidade. O povo comemora o fato de não ter profundidade. Essa pra mim é a maior mensagem da Marcha Para Jesus: a celebração da superficialidade evangélica brasileira. É a “rave” dos apaixonados extravagantes, ou como diria Karl Marx, o “ópio do povo”.

 

Mas em contrapartida ao viver raso dos apaixonados está o amor. Amor é coisa pra gente grande com alma de criança (a pureza que Cristo vê nas crianças, não a superficialidade dos infantis). Paulo parece entender isso quando em sua majestosa poesia sobre o amor, em 1 Coríntios 13: “Quando eu era menino, falava como menino e raciocinava como menino. Quando me tornei homem, deixei para trás as coisas de menino.” O contexto é o amor. O amor nos torna gente grande, sem perder a doçura de criança.

 

Quem é apaixonado, marcha, grita, pula, dança… mas quem ama caminha, com vigor e serenidade, com força e sabendo ser fraco, com entusiasmo e ponderação. O amor se constrói no caminho… e não tem fim.

 

Quem ama não precisa marchar um dia, porque em todos os dias toma a sua cruz e segue aquele que o amou primeiro. Quem ama não precisa gritar que Jesus é Senhor do Brasil porque todos os dias fala do amor de Deus de forma tranqüila, para que, ao converterem-se as pessoas, o Brasil venha realmente a ser uma nação santa. Quem ama não precisa pular tanto porque sabe que pular muito “cansa as pernas” e difere muito de um caminhar sadio, onde as “juntas” são muito melhor aproveitadas.

Enfim, quem ama sabe que não há “ato profético” nenhum se não houverem profetas verdadeiros que estejam dispostos a, em suas atitudes, denunciarem o distanciamento do povo de Deus e anunciarem de verdade as boas-novas. Então serão, não “atos proféticos” sem eficácia alguma, mas “atos dos profetas”, que por sua vida e verdade no que dizem e vivem desafiarão o povo ao maior privilégio que poderiam ter: caminhar com Jesus. E essa “Caminhada COM Jesus” só terminará na glória, quando ele, justo juiz, vier buscar os que com ele caminharam.

Quando eu era menino, marchava como menino, pulava como menino, gritava como menino, fazia coreografias como menino, mas agora que me tornei homem, descobri o quão gostoso é caminhar, em amor, com aquele que me chamou para caminhar com Ele.”

 

 

Suhett, o bispo do amor retorna ao seu 1º amor

 

 

Meu amigo Fabio Fino diz que eu tenho um gosto musical estranho e esquisito, segundo ele como alguém pode gostar do grupo Elo, Vencedores por Cristo, Janires / Rebanhão e Sérgio Pimenta e ao mesmo tempo gostar das músicas do conjunto Voz da Verdade e também de um tal de Renato Suhett. A resposta mais ácida que eu poderia dizer é o ditado popular que diz que “gosto musical é igual pescoço, cada um tem o seu”. Mas ainda vou arriscar a responder em poucas palavras, minha adolescência foi ouvindo essas peças, mesmo que o Fabio insista que Suhett e Voz da Verdade sejam os bregas da musica cristã. Seus hits fizeram e ainda fazem sucesso em alguns guetos evangélicos.

 

Entretanto gostaria de falar de Renato Suhett, que no inicio da década de 90 era abaixo do Edir Macedo, a figura mais importante dentro da Igreja Universal do Reino de Deus. Era conhecido como o bispo do amor. Suhett foi o fundador da Line Records, o primeiro álbum desta gravadora foi dele próprio que na época estourou nas rádios com sua principal música título do LP Tantos Caminhos (foto da contra-capa abaixo). Naquela época ele até gravou uma versão da música Hotel Califórnia, com o nome de A Resposta em seu segundo LP (foto acima) chamado Última Lágrima.  Ele saiu da Igreja Universal, viveu um tempo nos EUA e de volta ao Brasil gravou um álbum pela gravadora MK Publicitá e depois criou a “Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo” e nos últimos tempos fez uma mistura de dito evangelho com práticas esotéricas e mudou o nome da igreja para “1º Igreja Evangélica Esotérica do Senhor Jesus Cristo”. 

Sobre antes de ele abrir a igreja, Caio Fabio tinha contato com ele e respondendo uma carta sobre a igreja Esotérica, Caio disse assim em seu site:

Eu só ouvia as histórias dos exageros…

Então 98 caiu sobre mim como uma montanha de fogo!

Fiquei dois anos fora. Mas quando voltei ele estava atrás de mim; e foi muito grato, amigo, e solidário. E me procurou algumas vezes; sendo que numa delas fui fazer um lanche na casa dele; que a essa altura era vizinha da minha num condomínio em Itaipu-Niterói.

Entretanto, mais por culpa minha, não pude continuar a encontrar com ele. Até que perdemos o contato. Faz um mês, todavia, que alguém me disse algo acerca do que ele havia feito com a “igreja dele”; e mais: que ele havia se tornado também um funkeiro de estilo, e que estava fazendo shows na noite. Mas o que chamou a atenção da pessoa é que ele parecia meio surtado.

Ouvi, me entristeci por ele, orei, e pedi a Deus que lhe trouxesse de volta à sensatez!

Portanto, o que tenho a dizer é uma só coisa:

Quem não tem fundamento na Palavra do Evangelho, fica assim, à mercê de todos os ventos de doutrina, de toda invenção, e aberto para todo sincretismo.

Assim, o pobre Renato, saiu de um alçapão e abriu para si uma gaiola!”

A resposta completa pode ser vista nesta carta resposta no site do Caio

Independente de suas atitudes teológicas estranhas, seja na igreja Universal ou em sua igreja esotérica, eu sempre gostei de suas músicas melancólicas e as de batidas e arranjos com sua guitarra. Cerca de uns dois ou três anos atrás conheci uma pessoa que freqüentava uma loja maçônica e quando ele ficou sabendo que eu gostava das músicas do Suhett, ele disse que ia comentar com ele, pois Suhett estava freqüentando as reuniões da loja, qual não foi minha surpresa e alegria que da outra vez que encontrei este amigo, ele me entregou o novo CD do Renato Suhett que tinha enviado para mim, ao saber que eu gostava de suas músicas.

 

Enfim, mas o que me faz escrever agora sobre ele? Esta semana consegui adquirir um cartão de 2 gigas para o palmtop e neste feriado de 1º de maio estava eu em casa baixando vídeos do Youtube para assistir no Palm, quando fiz uma pesquisa sobre o nome do Renato Suhett para ver se novos vídeos musicais estavam disponíveis na net, eis a minha surpresa quando encontro dois vídeos de testemunhos dizendo que “Renato Suhett fechou a sua igreja e volta para a Igreja Universal” no vídeo gravado no templo do Brás, onde o próprio Renato “dominava” há mais de uma década atrás, ele esta agora sendo entrevistado pelo bispo Romualdo, em que diz que se arrepende de ter saído da Igreja Universal, diz que o bispo Macedo sempre o considerou um filho e ainda disse que para os que saíram da Universal por causa dele, que voltem para a casa, igual fez ele. Uma entrevista pode ser lida aqui e os vídeos aqui.

 

Bom, para fechar esse post, não creio que ele volte como bispo ou consiga chegar perto do posto que ocupava antes na Igreja Universal, aliás ele mesmo diz que esta apenas assistindo os cultos e quer apenas a salvação, gosta de estar no altar e naturalmente voltar a tocar. Certo ou errado em voltar para a IURD, seja por um motivo sincero (algumas comunidades no Orkut já dizem que ele voltou pois esta falido financeiramente), independente de seu futuro, se ele vai continuar na Universal ou não, ou se ele vai atuar, espero que pelo menos ele volte a gravar pela Line Records, tocar e lançar seus CD’s algo que ele faz muito bem, em meu gosto musical.

 


Contra-capa do LP 001 da Gravadora Line Records,
disco Tantos Caminhos de Renato Suhett de 1991

Agradecimento de visitas

Esta semana este blog apareceu no top 5 no Pavablog, o Blog do jornalista Sérgio Pavarini. O critério para figurar no top são os cinco blog’s que enviaram mais visitantes para o Pavablog na última quinzena.

 

Entre mais de 400 blog’s com link’s no Pavablog, estivemos em 4º lugar lhe enviando visitantes. Sérgio agradece com um muuuuito obrigado. Mas sou eu que quero agradecer, tanto ao Sérgio como aos leitores deste meu blog que proporcionaram visitando o Pavablog. Alías, recíproca existe de visitantes aqui também, pois diversos acessos que tenho neste blog vem do Pavablog que este mês completou 3 anos no ar, com um total de mais de 600 mil visitante e com mais de 1 milhão de pageviews, com uma média de 800 a 1500 acessos diários. Parabéns Sérgio !!

 

Falando em números, este meu blog que iniciei em fevereiro deste ano, tivemos até agora conforme o contador, 3.983 visitantes, e o recorde de visitas em um dia apenas foi de 157, valeu galera!! Falando em link’s para visitas, Justiça seja feita, segue o link dos outros 4 blog’s companheiros que estão no top five do Pavablog esta quinzena. São eles conforme o print abaixo: Blog do Caminho, Indo ao alvo, Celebrai e Altair Germano.