O vilarejo

Sempre gostei de acompanhar os escritos da Bráulia, das colunistas da  Ultimato, é uma das primeiras que leio quando a revista me chega em casa. Este artigo é um dos que mais gosto dela, foi publicado na edição 307 de julho/agosto de 2007.

_________________

“Ele morreu por todos, para que aqueles que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou” (2 Co 5.15)
Ouço música com meu filho do meio. De repente percebo que ele canta comovido. A música é “Vilarejo”, de Marisa Monte, Carlinhos Brown, Pedro Baby e Arnaldo Antunes, e fala de uma vila bucólica onde cabe todo mundo. A vila é Palestina, Shangri-lá, terra de heróis, lares de mãe, frutas no quintal, onde o tempo espera, as janelas estão abertas, em todas as mesas tem pão, flores enfeitam caminhos, destinos, vestidos. Ele canta e me diz: “Mãe, esse lugar é Porto Velho”. 

Sem considerar se Porto Velho merece tanta honra, lembro que nos anos 70 o lugar idílico era cantado como a casinha branca no pé da serra, a casa no campo com meus livros e discos e nada mais. O pós-modernismo se decepcionou com a felicidade solitária, tomou Prozac para suportar a casa no campo e conclui que sem o vilarejo-Shangrilá não há felicidade. Não basta ter o pão na minha mesa, quero-o também na do vizinho. Já não me basta o espelho, quero o toque, a gente, a comunidade. A série americana Friends traduz a sede por comunidade do final do século 20 e início do 21. Não me basta a vida adulta, a independência financeira e sexual, preciso de friends, ou seja, quero graça, quero um ombro pra chorar, preciso de relacionamentos dessexualizados, honestos e reais. Na igreja, não me bastam nucas, quero seres humanos. 

No evangelho recuperamos a noção verdadeira da individualidade. Em nenhuma outra sociedade além das diretamente influenciadas pelo evangelho reformado existe a noção funcional do indivíduo, com seu valor inerente, um enredo seu, que não é outorgado pelo grupo a que pertence.1 Talvez seja esse o maior legado da Bíblia à civilização ocidental e, de maneira especial, à geografia protestante: eu tenho valor em mim mesmo, a vida em si já me torna importante e único. Graças a essa noção temos direitos humanos também intrínsecos. Um cristão libanês, dr. Habib Malik, foi o principal articulador da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que não seria possível sob nenhum outro guarda-chuva ideológico. 

Mas no evangelho recuperamos também nossa significação social. Não posso ter fé sem o outro, não amo a Deus, a quem não vejo, se não me torno samaritano para quem vejo. No cristianismo o mesmo “eu” resgatado pelo valor que Deus me atribui se dilui, se nega, dá a outra face, se torna escravo do outro, é pregado na cruz, cai na terra e morre. O mesmo eu que o amor de Deus me fez descobrir, perde a significação diante do amor do outro. Apenas no cristianismo descobrimos nosso significado — além do nosso eu, somos o outro. E passamos a ser a casa de Deus. Nosso corpo é o templo do Deus que ama, que acompanha e contém em seu coração toda a humanidade. Só em Deus podemos obter a “unimultiplicidade, onde cada homem é sozinho a casa da humanidade”, como cantam Tom Zé e Ana Carolina. Somos templo do Senhor e, portanto, casa das dores, das histórias, das esperanças da humanidade. Edgar Morin me ajudou a entender a tri-dimensionalidade do ser humano. Segundo ele, somos espécie (corpo), indivíduo (alma) e sociedade (espírito)…2

Se andarmos no Espírito, Ele criará em nós, individualmente e pela fé, a sociedade de acordo com Ele. O vilarejo nesse caso não é apenas o bairro onde eu moro, a vila que tenho de cruzar, ou a cidade ao meu redor, mas é a realização da minha própria experiência com Deus. Minha fé concreta recria a vila, desmilitariza a favela, humaniza a cidade.

Notas
1. “É só nesta civilização que a idéia do indivíduo foi apropriada ideologicamente, sendo construída a ideologia do indivíduo como centro e foco do universo social.” (Roberto DaMatta. Carnavais, malandros e heróis. Editora Rocco.)
2. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Unesco, 2002. 

• Bráulia Ribeiro é missionária em Porto Velho, RO, e presidente da JOCUM — Jovens com Uma Missão.
 

 

 

 

Anúncios

2 comentários

  1. Alex, excelente achado!

    A Bráulia, sem dúdiva, além de ser uma das melhores missionárias e missiólogas tupiniquins, é uma téologa de primeira – poucas mulheres no planeta fazem teologia como ela. (vou copiar e colar lá no celebrai!rsrs)

    Áh, parabéns pelo novo layout, ficou show (não um show da fé)!hehe

    Abraços, naquele que nos faz um vilarejo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s