Desmitificando Paulo Brabo e sua Bacia das Almas

A Bacia das Almas o livro: lançamento em São Paulo

Brabo não tirou as sandálias

Paulo Brabo se deixou corromper pelo sistema capitalista/calvinista/neoliberal e abriu os braços para os confetes que voaram em sua direção, abandonou o monastério e incorporou a celebridade efêmera deste mundo. A quem diga que desde o primeiro livro lançado esse ano, Brabo já tinha vendido a alma ao enganador. Aliás, cá entre nós, quem em sã consciência realiza o lançamento de dois livros em um espaço menor que quatro meses?

Quem esteve presente pode ver o mocinho virar bandido, o palco desta tragicomédia foi o auditório da livraria Cultura no shopping Market Place na cidade de São Paulo.

Para quem ainda não esta entendendo a gravidade do assunto, Paulo Brabo que vive no monastério de São Brabo nos arredores de Curitiba, transmite seus escritos pelo site Bacia das almas que tem por lema “Onde as idéias não descansam”, bandeira esta que foi traída, pois as ditas idéias agora descansam em paz em um livro de 336 páginas lançado pela editora Mundo Cristão cujo título é A Bacia das Almas. Desrespeitando seus princípios, a ousadia ultrapassou limites, pois Brabo não se absteve em utilizar técnicas de puro marketing e grifa no sub-título do livro: Confissões de um ex-dependente de igreja. Pronto !! Só neste ato impensado, Paulo Brabo perde pelo menos 50% dos poucos leitores simpatizantes que tinha conseguido arregimentar nesses últimos anos em seu site.

A Confirmação disso tudo pode ser constatada na quantidade de público no local do evento. Lotação total da casa. A Conclusão lógica disso é que a derrocada de alguém sempre trouxe ibope, ainda mais no meio cristão. Aliás, sua estrela começou a apagar quando entrou no palco e ignorando o mandamento divino de tirar às sandálias (seguidos pelo profeta Móises) Paulo Brabo em nenhum momento as retirou de seus pés, mostrando falta de respeito para com todos e tudo.

O Público presente era de todas as tribos, passando rapidamente os olhos pela platéia podia se observar a diversidade da galera, indo desde rev. Sandro Baggio do Projeto 242, passando por Alex Dias Ribeiro ex-corredor da Fórmula 1 e indo para os jovens da igreja Presbiteriana Seoul Coreana do Brasil, apenas para citar alguns exemplos.

O evento ocorreu em forma de um debate sobre as idéias de Paulo Brabo, incumbido de mediar o tom das acusações estava Ed René Kivitz representando o clero. Representando a academia estavam Lourenço Stelio Rega, mestre em teologia, diretor da Faculdade Teológica Batista de São Paulo e o professor doutor Jung Mo Sung, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Universidade Metodista de São Paulo.

Kivitz não se conteve em apenas mediar o debate e logo no início manda uma direta para o autor; quer saber qual igreja Paulo Brabo se diz ex-dependente? Brabo por sua vez constrói uma resposta que segundo ele é óbvio demais e diz ser todas pertencente a esse sistema religioso que existe hoje, e apelando para o uso de técnicas de argumentação contra-ataca Kivitz perguntando se ele é dependente da igreja? Kivitz responde que não e inverte a pergunta rapidamente, indagando que mal terrível haveria em ser um dependente de igreja?  …… Ávidos leitores a partir deste momento, não poderei continuar narrando o ocorrido por forças contratuais. (ou você acha que apenas o Brabo se vendeu ao sistema capitalista existente hoje?)

Por último vale registrar que o conteúdo do livro não esta todo no site  Bacia das Almas, pois senão seria um tiro no pé dado pela editora junto com o autor. O livro tem um capitulo inédito que o leitor não encontra na internet, com o polêmico título: Os Livros não mudam pessoas. Neste capitulo Brabo diz que: “a nova e irresistível onda é a dos livros que mudam pessoas”. Brabo destrói esse mito, quem comprar saberá os porquês.

Ahh e falando em mito, referindo-se ao título desde post, já estava me esquecendo, a única desmitificação a ser feita em Paulo Brabo esta no nome, pois de brabo ou bravo não tem nada, pessoalmente é amigável e de um coração grande que transborda alegria, próprio dos habitantes do Reino do Deus.

Não gostou da interpretação deste blog? Veja outras versões do mesmo acontecimento nesses outros links.

Versão oficial da editora: reportagem da Mundo Cristão

Versão do presidente do fã clube do Brabo: Volney Faustini

Versão do público participante: JIPS

Versão do panfletário mor da Bacia: Lou Mello

Abaixo segue mais algumas fotos que fiz nesta noite que, segundo me confessou Paulo Brabo, foi surreal. Fotos de todo o evento podem ser conferidas aqui neste link registradas pela lente de Decio Fotografo que fez a última foto deste post onde o autor deste texto no final do encontro se junta ao autor do Bacia das almas para este registro na história.

Kivitz pergunta de qual igreja Paulo Brabo é um ex-dependente?

Público diversificado: galera atenta ao debate

Trio ouve as tentativas de explicação de Brabo

A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna

Enquanto ouve a leitura, Brabo reformula as idéias eternamente em sua mente

"Este encontro foi surreal" Paulo Brabo

No final seguindo o contrato, a fila dos autógrafos

Paulo Brabo não perdeu a oportunidade de sair na foto comigo rss...

Leia +

About these ads

28 Respostas para “Desmitificando Paulo Brabo e sua Bacia das Almas

  1. Texto gostoso de ler… espero que as pessoas entendam… rsrsrs
    Fiquei com vontade de ter estado lá!

  2. Foi um evento muito bom!
    Debate incrível, só faltou tempo,
    Belas fotos~!
    Abraços~!

  3. Parabéns pelo post, muito bem humorado e inteligentemente escrito, além das fotos “de profissional”. Abraços aqui do RS.

  4. Alex,

    Finalmente um relato desapaixonado, preciso e jornalístico, ao contrário daquele primeiro.

    Tudo que posso dizer é o que ensinou-me Gerald Weinberg: parece uma crise, mas é só o fim de uma ilusão.

    Obrigado de novo por concordar em aparecer comigo na foto, apesar das suas limitações contratuais.

    PB

    PS Sorri em silêncio diante de quase tudo, mas a singeleza sem rodeios de “Ed René Kivitz representando o clero” me fez rir em voz alta.

  5. Paulo, nós que agradecemos por tudo.

    Já que tudo “parece uma crise, mas é só o fim de uma ilusão”, desejo outras ilusões para termos muitos outros finais agradáveis como foi o lançamento deste livro.

    Sobre a foto, eu que agradeço, e olha que nem vou cobrar royalties rss….

    Big abraço meu camarada

    Alex Fajardo

  6. Ei Alex que matéria competente meu caro, parabéns!!

    Deu pra imaginar como foram as coisas no evento e, a propósito, de que igreja o Paulo é ex-dependente????

    Abração,

    Gloecir Bianco

  7. Alex,

    Se você olhar atentamente na foto do auditório, poderá perceber na lateral de pé, dois agentes à paisana, da ANA. Me parece que captaram imagens e o áudio total do evento. Estou aguardando uma convocação para ter que me explicar.

    Apesar de os satélites acompanharem diuturnamente todos os movimentos nos arredores de Curitiba, ainda hoje as coordenadas do Monastério permanecem na incógnita.

    Graças às forças subversivas, atuando junto à torcida do Coritiba, a confusão do jogo de domingo foi criada tão somente como manobras dissimuladoras para que o Brabo pudesse vir para São Paulo.

  8. Marco A. Carvarello

    Alex, belíssima crítica. Comprei o livro, estive presente ao evento e estou totalmente apaixonado pela distoante fusão de idéias do livro A bacia das almas. É o melhor livro que li nos últimos tempos ou desde os melhores textos do Gondim. Este evento ficará marcado em minha memória e dos amigos que foram comigo. O em “6 passos…”não tem em nada o brilhantismo deste livro lançado na Cultura. É algo que não traz a “alma cristã”de A bacia das almas. E, se for puro marketing, confesso que me rendi. Paulo Brabo ganhou mais um fã. Da execelente capa à última página, recomendo a todos!

  9. Estava aguardando sua matéria. Vi você nas fotos do fotografo oficial (provavelmente, uma parte do pacote de lançamento) e aguardava ansioso. Endosso todas as suas palavras. Se você pretendeu dar um tom irônico, saiba que acabou revelando toda a verdade. Veja o que o próprio PB disse: parece uma crise, mas é só fim de uma ilusão. :)

  10. Alegria desmesurada (que não é própria para a minha idade madura) em ver um tema que foi um semi-fantasma em minha vida, ser tratada por um primo meu!
    O meu caminho reflexivo sobre a alegada ‘toxicidade’ da igreja/religião fez-se mais ao longe.
    Bravo ao Brabo pela coragem de desarrumar sistemas internos.

  11. No começo também pensei que estava “lendo errado”, mas seu texto foi bem legal! Parabéns! Graça e Paz!

  12. Parabéns Alex.

  13. Que figura! quase me enganou!!
    Mt bom, Alex!
    Paz.

  14. Pingback: Missão Integral – Lançamento de Ricardo Gondim « Blog Alex Fajardo

  15. Embora devo perguntar ao próprio autor, mas quem sabe diz aí: Recebi o em 6 passos o que faria Jesus, veio sem capa..rsrsrs

    Bom texto!

  16. Parabéns pelo bolg, muito interessante.
    Sou escritor e bem sei da importância do seu trabalho.

    Um forte abraço

  17. Poxa, eu queria ter ido ao lançamento.

  18. Paulo Brabo desnuda o uso da atualmente marca ‘cristão’, tão utilizada por entidades que lhe tiram proveito material.

  19. Sr Fajardo, me parece esperneando sob a palavra certeira de Paulo Barbo.
    Sem comentários…..

  20. Pingback: A Casa, as mulheres e a igreja « Blog Alex Fajardo

  21. Pingback: Ronaldo Cavalcante lança livro: A Cidade e o gueto « Blog Alex Fajardo

  22. Paulo Brabo é um cara sensato.
    Um dos poucos caras sensatos que escrevem.
    E um daqueles poucos caras sensatos que publicam o que escrevem.
    Existe insensatez maior?

  23. Poucos são os que têm a sensatez de escrever o que vai produzir um pouco de responsabilidade na mente das pessoas. A vida de gado tem transformado em des-graça a existência dos dependentes de igreja. Espero que o Brabo continue bravo e ajudando àqueles que precisam de esclarecimentos para tirar a sujeira das tradições humanas inseridas na vida dos que querem caminhar com Jesus.

  24. Estanislau Alfredo de Moraes Netto

    No princípio eu me perguntava: O que tem haver Paulo, Moisés e as sandálias de Paulo… Seria aquele palco um local Sagrado? Certamente que sim… Por tanto, São Brabo, da próxima vez, não se esqueça de tirar as sandálias, mas, como também as calças, já que a camisa tirastes, assim como há muito andas nu de corpo e alma na Bacia.
    (Estanislau, privilegiado em receber os posts da Bacia dsd 2006)

    Parabéns Alex pelo teu jornalismo!

  25. Cara! eu ia te queimar na fogueira. Mas a vontade passou pois vi que vc realmente tem consciência cristã.
    O Éd rené é meu amigão e maior fã. Só que ele não sabe disso. Rabinominino é meu pseudonimo e ele só conhece o “eu” real. pode ser que eu esteja mais perto que vc pense.
    Abração!

  26. Passando por aí, já indignada, imaginando: “mais um post de irmão julgando irmão…” Muito criativo; inteligente; cumpriu seu papel! Parabéns!

  27. Só uma palavra: Saudade!

  28. Li o livro por indicação de Ed René Kivitz ( um dos poucos, diria um dos 4 pastores que gosto de ouvir pregar), normalmente quando o livro é de autores evangélicos prefiro boas indicações, como as do Ed e as do Ariovaldo Ramos, não me atrevo a entrar em uma livraria evangélica e do nada trazer um livro. Fiz muito isso e na maioria das vezes foi dinheiro jogado fora. Amei o livro! Gosto quando as pessoas são honestas com seus pensamentos, não curto hipocrisias, esse lance “Feliciano” de ser. Acredito de coração que Deus aprecia e incentiva a transparência…
    É um livro que indico! E Paulo Brabo é um dos meus!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s